Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Israel teme início de nova rebelião palestina

O ministro israelita de Segurança Doméstica manifestou, esta Segunda-feira (25), a preocupação de que uma onda de protestos palestinos violentos na Cisjordânia se transforme numa nova rebelião.

A morte de um palestino numa prisão israelita, Sábado, e uma greve de fome realizada por quatro outros prisioneiros alimentam as tensões na Cisjordânia, onde os manifestantes a lançarem pedras travam repetidos confrontos com os soldados israelitas nos últimos dias.

“As duas rebeliões anteriores… ocorreram como resultado de um elevado número de mortes os durante protestos”, disse o ministro Avi Dichter a uma rádio. “As vítimas fatais são uma receita quase comprovada para uma maior escalada.”

Os soldados israelitas compareceram em grande número, Segunda-feira, ao funeral de Arafat Jaradat, de 30 anos, que havia sido preso há apenas uma semana por apedrejar carros israelitas na Cisjordânia. As autoridades palestinas dizem que ele morreu após ser torturado.

Israel afirmou que uma autopsia, realizada na presença de um legista palestino, foi inconclusiva, e que as lesões, como costelas quebradas, podem ter sido causadas durante os esforços de ressuscitação do homem.

A frustração palestina tem sido alimentada pela expansão dos assentamentos judaicos na Cisjordânia, pela paralisação do processo de paz desde 2010, e pela persistente divisão entre a Autoridade Palestina, do presidente Mahmoud Abbas, e o grupo islâmico Hamas, que governa a Faixa de Gaza.

“Não temos escolha senão continuar a resistência popular e escalá-la diante da ocupação, seja pelo Exército ou pelos colonos”, disse à Reuters Mahmoud Aloul, dirigente do partido Fatah, de Abbas, cujo poder está restrito à Cisjordânia. Dichter disse que Israel precisa de ter cuidado ao lidar com os protestos, e acusou os palestinos de se fazerem de vítimas antes da chegada à região do presidente dos EUA, Barack Obama, próximo mês.

“Não acho que a Autoridade Palestina tenha a ganhar com uma rebelião, assim como não conseguiu nada com a primeira e segunda rebeliões”, disse ele. “Mas eu diria que, após portarem-se com pensamentos fracos e deturpados ao longo dos anos, eles nem sempre reconhecem o que é do seu melhor interesse.”

Os palestinos estão actualmente a mobilizar-se pelos quatro presos em greve de fome, dos quais dois são mantidos na cadeia sem julgamento, sob suspeita de actividades anti-israelitas. Cerca de 4.700 palestinos estão presos em Israel, e são vistos como heróis por seus compatriotas.

A eventual morte dos grevistas de fome – um deles rejeita comida, intermitentemente, há mais de 200 dias – deve levar a uma violência generalizada. A primeira rebelião aconteceu de 1987 a 1993, quando foi assinado o tratado de paz provisório de Oslo.

A segunda estourou em 2000, depois do fracasso de negociações para um acordo de paz definitivo. Nos sete anos seguintes, mais de mil israelitas morreram, sendo metade deles em atentados suicidas que tinham como alvo principalmente os civis.

Mais de 4.500 palestinos foram mortos pelas forças de segurança de Israel.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!