Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Israel rejeita resolução da ONU sobre Gaza

Israel rejeitou na sexta-feira a resolução da Assembléia Geral da ONU adoptada na véspera que dá três meses ao Estado hebreu e aos palestinos para iniciar investigações concretas sobre os crimes de guerra que podem ter sido cometidos durante a ofensiva israelense contra a Faixa de Gaza em Dezembro e Janeiro passados.

“Israel rejeita a resolução da Assembléia Geral das Nações Unidas, que está totalmente separada das realidades que Israel enfrenta no terreno”, indica um comunicado do ministério as Relações Exteriores. A resolução, apresentada pelos países árabes e não-alinhados, obteve 114 votos a favor, 18 contra e 44 abstenções. Apesar deste resultado, Israel afirma ter o apoio de uma “maioria moral”. Os Estados Unidos votaram contra, a Rússia se absteve, a China votou a favor.

Da União Européia, cinco países votaram a favor, sete contra e 15 se abstiveram, entre estes últimos França e Grã-Bretanha. O Ministério das Relações Exteriores de Israel saudou o “grande número de estados que votaram contra ou se abstiveram”, o que prova que “a resolução não tem o apoio da maioria moral”, segundo o comunicado. “Israel, como qualquer outra nação democrática, tem o direito a autodefesa e, como foi testemunhado pelos eventos dos últimos dias, continuar a proteger a vida dos seus cidadãos contra as ameaças do terrorismo internacional”, continua.

O texto se refere à captura pela marinha israelense de “centenas de toneladas de armas”, que seriam originárias do Irã e estariam destinadas ao movimento xiita libanês Hezbollah. A resolução da Assembléia Geral “aprova” o relatório da comissão Goldstone e apela que Israel e os palestinos iniciem dentro de três meses uma investigação “independente, concreto e em conformidade com as normas internacionais” sobre as “violações graves do direito internacional humanitário e dos direitos humanos, tal como indicado no relatório”.

Também prevê que dentro de três meses a Assembléia Geral faça uma revisão sobre a aplicação da resolução, com a possibilidade de “recorrer a outros organismos pertinentes das Nações Unidas, incluindo o Conselho de Segurança”. No seu relatório, o juiz sul-africano Richard Goldstone acusa Israel e os palestinos de “crimes de guerra” e “possíveis crimes contra a humanidade” durante a ofensiva militar israelense na Faixa de Gaza. As resoluções da Assembléia Geral não possuem o caráter coercitivo do Conselho de Segurança, mas têm um peso moral, na medida em que representam a opinião da maioria dos estados do mundo.

Israel, que fez alusão aos foguetes de militantes palestinos lançados contra seu território para iniciar uma ofensiva contra o território de Gaza, considerou o relatório Goldstone “injusto, despropositado e unilateral”.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!