Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Israel abate míssil de Gaza no meio da preparação para libertação de presos

O sistema de defesa aérea israelita Domo de Ferro abateu um foguete disparado por palestinos da Faixa de Gaza contra uma cidade no litoral sul de Israel, esta segunda-feira (28), enquanto outro caiu no mar, disse uma porta-voz militar.

Poucas horas depois, a Força Aérea Israelita bombardeou o que um porta-voz militar descreveu como dois lançadores de foguetes escondidos no norte de Gaza. Não houve vítimas. A ofensiva realizada pouco antes do amanhecer contra Ashkelon, cidade a cerca de 12 km ao norte de Gaza, foi incomum, devido à relativa calma de militantes palestinos desde a guerra de Novembro do ano passado entre os governantes islâmicos do Hamas no enclave costeiro e o Estado judeu.

Ninguém assumiu responsabilidade pelos lançamentos desta segunda-feira, que podem ter sido conduzidos para estragar as negociações de paz patrocinadas pelos EUA e retomadas pelo presidente palestino, Mahmoud Abbas, rival do Hamas, com Israel em Julho. Para dar força a Abbas, Israel deve libertar 26 prisioneiros palestinos nesta semana.

Durante a libertação anterior de prisioneiros, em Agosto, os militantes de Gaza dispararam foguetes através da fronteira e Israel respondeu com ataques aéreos. O Hamas pediu a Abbas, que mantém o domínio sobre a Cisjordânia ocupada por Israel, a abandonar a pacificação e formar um novo governo de partilha de poder palestino.

A facção também já sinalizou disposição para entrar em guerra, assumindo a responsabilidade na semana passada por um túnel que os israelitas descobriram a ser construído no seu território a partir de Gaza, provavelmente destinado ao sequestro de soldados ou a instalação de explosivos subterrâneos, segundo Israel.

Mas o cenário tem se modificado para o Hamas, que vive uma crise financeira e política desde o corte da ligação com o vizinho Egito pelo novo governo interino no Cairo, apoiado pelos militares.

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!