Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

INGC apoia vítimas do vendaval

Cerca de 400 famílias, cujas habitações foram total ou parcialmente destruídas, em consequência de chuvas intensas, acompanhadas de ventos fortes que se abateram sobre os distritos de Mecuburi e Angoche, em Dezembro do ano passado, estão já a receber apoios diversos do INGC – Instituto Nacional de Gestão de Calamidades, segundo revelações de Amâncio Nhantumbo, delegado provincial, a margem de uma entrevista balanço, sobre o desempenho daquela instituição, em 2010.

Segundo Nhantumbo, o distrito de Angoche registou um total de 126 casas totalmente destruídas, das 242 atingidas pelo vendaval, enquanto para Mecuburi, os números apontam para cerca de 120 habitações e um número não especificado de aves desaparecidas.

Em Nampula, o Instituto Nacional de Gestão de Calamidades diz estar preparado para responder pontualmente à eventuais situações de calamidades naturais ao longo do presente ano de 2011.

De acordo ainda com o delegado provincial do INGC, já existem fundos de contingência para atender eventuais casos de emergência na província de Nampula.

Neste momento decorrem acções de monitoria de campo em todos os distritos, com a supervisão de alguns técnicos do sector que também têm a tarefa de sensibilizar as populações no sentido não erguerem as suas habitações, bem como a criação de campos de produção agrícola em locais considerados propensos a calamidades naturais.

O delegado do INGC revelou, igualmente, que a sua instituição criou já cerca de 102 Comités de Gestão de Risco, que estão a ser orientados pelos líderes comunitários locais, medida que se prevê a criação de mais 55 de um universo de 157 comités previstos até finais deste ano.

O delegado do Instituto Nacional de Gestão de Calamidades, em Nampula, referiu ainda que está para breve, o apetrechamento dos grupos já formados, em meios de trabalho, nomeadamente, de enxadas, catanas, pás, entre outros necessários para trabalhos de intervenção, em caso de calamidades naturais.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!