Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Inauguração de monumento: Dakar sob forte vigilância

As ruas da cidade de Dakar, capital do Senegal, estão sob vigilância cerrada das forças de defesa e segurança, com vista a garantir que as festividades da inauguração na domingo do majestoso monumento do ‘Renascimento Africano’ decorram livres de sobressaltos.

A medida, tomada pelas autoridades senegalesas, visa repelir quaisquer tentativas dos partidos da oposição e outros contestatários do projecto que prometeram, durante a semana, manifestarse contra a inauguração do imponente monumento de bronze com 50 metros de comprimento, erguido nas colinas vulcânicas da vila de Ouakam. A festa da inauguração do gigantesco monumento, avaliado em 15 milhões de euros, e, segundo os responsáveis a sua edificação terá 1.200 anos de vida, junta além do presidente moçambicano, Armando Guebuza, os líderes do Benin, Burkina Faso, Cabo Verde, Comores, Chade, Costa do Marfim, Congo Brazzaville, Gabão, Gâmbia, Guiné Equatorial, Libéria, Mali, Mauritânia, entre outros estados.

O Presidente do Senegal, Abdoulaye Wade, disse que a inauguração do monumento, inserida nas festividades do 04 de Abril, Dia da Independência, constitui um marco fundamental no resgate do pensamento renascentista do continente africano. Wade disse que a estátua, com um homem no centro, uma mulher atrás e uma criança a frente assente no seu braço esquerdo, contemplando o céu, por ele concebida e aperfeiçoada pelo conceituado arquitecto Pierre Goudiaby, é a maior obra do género no mundo feita de bronze e a mesma vai, sem dúvida, entrar para a lista das melhores maravilhas jamais vistas.

A imagem, no contexto renascentista africano, simboliza, segundo o autor (Wade), a saída do continente do obscurantismo ao iluminismo, movimento ideológico no início do século XVIII, que defendia a libertação dos seres humanos e a sua subsequente afirmação.

No iluminismo, que teve em Emmanuel Kant uma das grandes referências de sempre, os seres humanos devem ser capazes de fazer uso da própria razão independentemente da direcção de outrem. O monumento vai, segundo o estadista senegalês, constituir um forte atractivo turístico, e 35 por cento das receitas geradas devem, por conseguinte, se reverter a seu favor como forma de salvaguardar os direitos do autor, e o resto em benefício do Estado.

Aliás, a futura gestão do monumento foi confiada a uma fundação liderada pela filha do presidente senegalês, Sindiély Wade. Apesar do ‘belo’ arrazoado que o autor do monumento evoca, vários concidadãos seus, incluindo intelectuais, contestam a obra iniciada em 2008 e terminada em 2009, apontando a pobreza e a miséria que ainda grassam o país.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!