Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Toma que te dou: Humildade

… E Jesus virou-se para eles e perguntou: “O que é que as pessoas dizem de mim?”

– Uns dizem que és o profeta Jeremias.

– E outros?

– Dizem que é os Messias.

– E tu, Pedro, o que dizes?

– Eu digo que és o filho de Deus. E Jesus respondeu, tranquilo como o rio Jordão: “Eis que falas a verdade”.

… E Nelson Mandela chegou ao palácio presidencial e virou-se para o homem que tinha servido dois Presidentes (Pieter Botha e Frederik de Klerk) como chefe do protocolo, e perguntou: “Estás a arrumar os teus haveres, vais para onde?”

– Senhor Presidente, a minha missão terminou, vou-me embora!

– Não podes ir, continuas aqui connosco, és muito experiente neste trabalho, e nós não temos essa experiência. Continua, meu irmão, nós precisamos de ti.

… E Frederick de Klerck acusou Nelson Mandela de ser promotor da violência na África do Sul, e Nelson Mandela respondeu: “O senhor Frederick de Klerck está a ser paradoxo, ele não tem padrões morais para fazer isso porque, na verdade, quem promove a violência no nosso país é o regime que ele dirige”.

E a humildade será para sempre o lado mais visível da sabedoria. Na verdade, a Nelson Mandela não se imita, mas nele se pode inspirar e trazer a paz definitiva para Moçambique. Nelson Mandela não imitou Jesus Cristo, mas seguiu os seus caminhos, obedecendo aos seus caminhos, “eu sou o caminho para se chegar à casa do meu Pai”. E Madiba foi mais longe, entregou a outra face, depois de lhe terem esbofeteado uma. Por isso conseguiu, até hoje, evitar uma verdadeira catástrofe que se vaticinava após a sua libertação da Ilha de Roben.

Os humildes não desejam o poder para acumular riqueza, mas para dirigir o seu povo rumo ao progresso. Os humildes têm a transbordante capacidade de ouvir, sobretudo de escutar o clamor das massas. Eles descem para junto das pessoas, não têm medo de quem os possa matar, como Jesus, achincalhado e vergastado e crucificado, pela libertação da humanidade. O humilde não se apega à cadeira do poder. Valoriza o ramo de oliva, e nunca usa o feixe de flechas contra o seu próprio povo. O humilde sabe ler os sinais, e segue-os. É por isso que no fim, Madiba é elevado e glorificado por todos.

… E Nelson Mandela disse a Pieter Botha: “Cuidado com o tigre das massas populares”. E foi pelas massas populares que ele lutou. Sempre. Lutou também para libertar os próprios brancos, como disse Barack Obama, lembrando a célebre frase do poeta: “Quando libertei o meu escravo, fui com ele”.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!