Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Guebuza recebe líder do Madagáscar

O Presidente moçambicano, Armando Guebuza, recebeu em audiência, no final da tarde da terça-feira, em Maputo, o líder da Alta Autoridade de Transição do Madagáscar, Andry Rajoelina.

Falando a imprensa no final da audiência que durou cerca de uma hora, Rajoelina manifestou o seu apreço pela disponibilidade e apoio dados pelo presidente e povo moçambicanos aos malgaxes, para sair da crise política e entrar na rota do desenvolvimento económico.

“Agradeço ao presidente e ao povo moçambicano pela disponibilidade e pelo apoio que prestam ao povo malgaxe para sair desta crise política e entrar na rota do desenvolvimento económico”, disse Rajoelina.

Em relação ao actual quadro político no Madagáscar, o presidente da Alta Autoridade de Transição disse que os malgaxes votaram em massa na nova Constituição que introduzirá a Quarta República do Madagáscar.

Para o efeito, Rajoelina disse ter recebido o aval de Guebuza para dirigir o governo de transição rumo as próximas eleições que vão culminar com a formação de um novo governo naquele país insular da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC).

Apesar de não ter adiantado quaisquer informações sobre as prováveis datas das próximas eleições, é sabido que na recente entrevista veiculada domingo pela televisão nacional naquele país, Rajoelina manifestou o desejo de ver as eleições a acontecerem ainda este ano.

Na entrevista, disse ainda que partilhava o sentimento da comunidade internacional em relação a preparação das eleições livres e justas e, para o seu gáudio, o país tinha já iniciado o processo preparatório e a orçamentação com vista a concretizar o pleito ainda este ano, que será orientado por uma Comissão Eleitoral Independente (CENI).

Aliás, o presidente da CENI, Henry Rakotomanana, disse recentemente que a marcação da data das eleições era de inteira responsabilidade dos rivais políticos malgaxes.

Questionado sobre a aceitação ou não da candidatura do ex-presidente Marc Ravalomanana, derrubado em 2009 na sequência da uma rebelião popular sangrenta, Rajoelina disse, de forma categórica, que o seu predecessor foi condenado pela justiça e não tem esse direito.

Rajoelina apontou, a título ilustrativo, que os presidentes Ben Ali da Tunísia e Hosni Mubarak do Egipto, também derrubados em violentas e sangrentas manifestações nos seus países não podem se candidatar, porque nos termos da lei perderam os direitos civis.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!