Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Guebuza insurge-se contra os investidores que não respeitam as leis moçambicanas

O Presidente da República, Armando Guebuza, disse, esta Sexta-feira, no povoado da Ponta do Ouro que todos os interessados em investir são bem vindos, mas devem respeitar as leis vigentes no país, para que os moçambicanos possam trabalhar alegres e felizes.

O Chefe do Estado insurgia-se assim contra investidores estrangeiros acusados, pelos residentes do povoado em pleno comício orientado por ele, de violar a lei do trabalho em vigor no país e de vedarem a actuação dos sindicatos nas suas empresas.

O investidores estrangeiros são acusados de expulsar trabalhadores sem justa causa, da prática de abusos e maus tratos aos moçambicanos, o que segundo os residentes acaba degenerando em conflitos laborais mal dirimidos por falta de uma inspecção do trabalho regular.

“Todo o investimento feito em Mocambique é regido por leis, por isso é inaceitável que as leis nacionais sejam violadas. Todo o investidor, venha donde vier, seja ele quem for é bem vindo, mas deve seguir as leis mocambicanas e e respeitar o homem entanto que ser humano”, disse Guebuza.

Só desta feita é que segundo Guebuza “vamos construir a sociedade de tolerância e harmonia que pretendemos”.

O Chefe do Estado sublinhou que os trabalhadores tem direitos e deveres que são ditados por normas e leis que devem ser respeitados por todos, tendo destacado que a luta que os moçambicanos travaram contra o colonialismo foi para valorizar o ser humano. “Tudo o que é contra estes princípios e condenável”, vincou o Chefe do Estado.

Os residentes queixaram-se ainda de os investidores privatizarem o acesso a praia, colocando vedações que os obrigam a percorrer quilómetros e quilómetros para se fazerem a praia localizada a 500 metros de distância.

Sobre a questão, o Chefe do Estado sublinhou que os moçambicanos são os donos da terra e não podem ficar reféns no seu próprio espaço e têm o direito de trabalhar felizes e alegres sem nenhum tipo de perturbação.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!