Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Guebuza em Botswana

O Presidente moçambicano, Armando Guebuza, encontrase desde segunda-feira em Gaberone, capital do Botswana, para uma visita oficial de dois dias a convite do seu homólogo tswana, Seretse Khama Ian Khama. Guebuza vai cumprir uma agenda bastante carregada, principalmente na terça-feira, mesmo dia em que deverá terminar a visita.

Um dos pontos mais altos desta sua deslocação ao Botswana é a visita a casa onde o Primeiro Presidente de Moçambique independente, Samora Machel (já falecido), se hospedou quando escalou este país a caminho da Tanzânia, onde posteriormente se juntou a Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO), que conseguiu derrubar o colonialismo português, dando assim independência ao país há sensivelmente 35 anos.

A AIM apurou que por este facto a casa em questão, localizada em Lobatse, cerca de 85 quilómetros a sul de Gaberone, é considerada “o ponto de encontro entre Moçambique e Botswana” dai que, no local, irá funcionar o Museu Samora Machel.

Pretende-se que o Museu seja um memorial para manter vivo o esforço empreendido por nacionalistas como Samora Machel. “O Presidente Guebuza vai visitar a casa onde se hospedou Samora Machel na sua trajectória para a Tanzânia. A casa, que é praticamente um memorial, ficou histórica por este facto”, disse fonte diplomática moçambicana, em Gaberone.

Na mesma Terça-feira, ainda em Lobatse, Guebuza vai inaugurar um Hospital Psiquiátrico de dimensão regional, para alem de um complexo desportivo. Tem sido prática o Botswana convidar estadistas regionais sempre que inaugura oficialmente infra-estruturas e eventos importantes.

Recentemente, numa situação similar, o Botswana convidou o Presidente da Namíbia. “É uma honra e grande dignidade para Moçambique e todo o seu povo o facto de desta vez a escolha ter recaído ao Presidente Armando Guebuza para inaugurar um hospital de carácter regional”, disse o Secretário Executivo da SADC, o moçambicano Tomaz Salomão, num breve contacto com imprensa moçambicana, em Gaberone, na segunda-feira.

Guebuza deverá ainda, na mesma terça-feira, visitar já em Jwaneg, há cerca de 165 quilómetros a oeste de Gaberone, uma mina de diamantes, um recurso mineral que joga papel fundamental na economia deste país cujo clima é essencialmente seco e semi-árido.

Os diamantes, são nos dias que correm, a principal fonte do Produto Interno Bruto (PIB) do Botswana, contrastando com o que acontecia na altura em que este país conquistou a independência, há 44 anos. Nessa altura, o PIB do Botswana era de cerca de 908,6 milhões de pulas (actualmente um dólar EUA equivale a cerca de 6,5 pulas), com a agricultura a contribuir com 387,6 milhões de pulas, cerca de 43 por cento, enquanto que os bancos, seguradoras e outros serviços de negócios entravam com 183 milhões, o equivalente a 20 pontos percentuais.

Nenhum outro sector da economia, incluindo o mineiro, contribuía para o PIB com até dez por cento. De quase inexistente, em 1966, o sector mineiro deste país passou a contribuir, passados cerca de duas décadas, ou seja já nos meados dos anos 80, com até 47 por cento do PIB. Por outro lado, nestes mesmos anos (1980), a agricultura registava um grande declínio, passando a contribuir com menos de cinco por cento para o PIB, contra os anteriores 43.

Esta terá sido a razão pela qual o Governo do Botswana decidiu diversificar a economia para evitar que a mesma continue por muito mais tempo a depender de recursos minerais que podem, a qualquer altura, ser afectados por crises como a financeira internacional, entre outros constrangimentos. Um outro aspecto que o Botswana quer evitar é o facto de o sector mineiro contribuir muito mais com o capital do que propriamente com a absorção intensiva da mão-de-obra.

O emprego no sector mineiro é relativamente reduzido. Botswana, com uma democracia multipartidária continua, é relativamente livre da corrupção e possui um bom histórico no tocante aos direitos humanos. No tocante ao HIV/SIDA, o Botswana já esteve no topo quanto ao número de infecções, deixando milhares de órfãos, uma realidade que vem sendo superada graças a diversos esforços, incluindo o tratamento e a prevenção. Nesta visita ao Botswana, Guebuza faz se acompanhar pelo Ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, Oldemiro Baloi.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!