Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Greve contra austeridade paralisa a Grécia

Os trabalhadores gregos faltaram ao trabalho, esta Quarta-feira (20), num protesto nacional contra cortes de salários e impostos elevados, deixando barcos ancorados nos portos, escolas públicas fechadas e hospitais a operarem apenas com equipes de emergência.

Os dois maiores sindicatos da Grécia deixaram grande parte do país paralisada durante uma greve de 24 horas sobre os cortes de pagamentos, que dizem apenas aprofundar a situação crítica de um povo que luta para enfrentar a maior crise da história do país em tempos de paz.

Representando cerca de 2,5 milhões de trabalhadores, os sindicatos já entraram em greve várias vezes desde a erupção da crise da dívida da Europa no final de 2009, desafiando as medidas do governo para implementar reformas necessárias para ajustar as contas do Estado.

“A greve é a nossa resposta às políticas sem saída que espremeram a vida dos trabalhadores, empobreceram a sociedade e mergulharam a economia em recessão e crise”, disse o sindicato do sector privado GSEE, que está a organizar a greve com o seu irmão do sector público ADEDY.

“A nossa luta vai continuar por quanto tempo essas políticas forem implementadas”, disse. O governo de coligação do primeiro-ministro Antonis Samaras, há oito meses no poder, está ansioso para mostrar que vai implementar as reformas que prometeu à União Europeia e ao Fundo Monetário Internacional, que socorreram a Grécia duas vezes com mais de 200 bilhões de euros.

Ele adoptou medidas linha dura com os trabalhadores em greve, invocando as leis de emergência duas vezes este ano para ordenar marinheiros e trabalhadores de linha férrea a retornarem aos seus postos de trabalho depois de uma semana de greves que paralisaram o transporte público em Atenas e provocaram escassez de alimentos nas ilhas.

Mas num sinal de que está a ceder sob pressão, o governo anunciou, Segunda-feira, que não iria demitir cerca de 1.900 funcionários públicos destinados à possível demissão, apesar de ter prometido aos credores estrangeiros que tentaria cortar a folha de pagamento pública.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!