Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Grã-Bretanha recruta espiões e França quer mais controle fronteiriço após atentados em Paris

Depois do ataque mais mortífero na Europa em mais de uma década, a Grã-Bretanha declarou nesta segunda-feira que irá contratar mais espiões, e a França pediu um maior partilha de inteligência e controles mais rígidos nas fronteiras externas da União Europeia(UE) para deter contrabandistas de armas e militantes islâmicos. Num novo vídeo divulgado também nesta segunda-feira, o Estado Islâmico alertou que os países que participam dos ataques aéreos contra a Síria terão o mesmo destino da França – onde pelo menos 129 pessoas morreram nos atentados de sexta-feira em Paris – e ameaçou atacar Washington.

No momento em que os governos da UE enfrentam o desafio de defender os 500 milhões de cidadãos do bloco contra ataques bem-planeados, a Grã-Bretanha anunciou que irá recrutar 1.900 espiões adicionais. “Esta é uma luta geracional que exige que forneçamos mais mão de obra para combater aqueles que querem destruir a nós e aos nossos valores”, disse o primeiro-ministro britânico, David Cameron, na cimeira do G20 na Turquia.

A contratação irá aumentar em cerca de 15 por cento, ou para 14.600 funcionários, o MI5, serviço de segurança doméstica britânico, o MI6, a agência de inteligência estrangeira, e o GCHQ, o centro de vigilância, provavelmente um número recorde. O governo de Cameron também planeia duplicar o gasto com a segurança na aviação em resposta à queda de um avião comercial russo no Egipto no mês passado, que a Grã-Bretanha afirmou acreditar ter sido abatido por uma bomba.

TÁCITAS DO ESTADO ISLÂMICO

Serviços de segurança e autoridades ocidentais declararam que os actos em Paris indicam que o Estado Islâmico está a exibir a sua capacidade de atacar fora do Oriente Médio com acções de grande porte contra civis desarmados. O evento ainda marcou uma escalada em relação às execuções de reféns em áreas que o grupo controla na Síria e no Iraque.

Actualmente, o nível de ameaça na Grã-Bretanha é “severo”, o segundo mais alto em uma escala de 5 graus, o que significa que um ataque é altamente provável. Cerca de 750 militantes britânicos viajaram para a Síria.

Embora cidadãos franceses vivendo na Bélgica estivessem entre os terroristas de Paris, a possibilidade de que um suspeito pode ter fingido ser um refugiado sírio ressuscitou o debate sobre a maneira como a UE está a lidar com a crise migratória.

O chefe do serviço de inteligência doméstica da Alemanha pediu “procedimentos metódicos” na gestão da chegada diária de milhares de postulantes a asilo em seu país, afirmando que extremistas podem explorar a situação às vezes caótica dos imigrantes.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!