Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Governo no Parlamento para falar das cheias, Ematum e “perseguição” de Afonso Dhlakama

Pela terceira vez este ano, num intervalo de quatro meses, o Governo moçambicano vai à Assembleia da República (AR), entre hoje e quinta-feira (05), a fim de responder a perguntas dos representantes do povo sobre a situação política, social e económica do país e explicar o que já fez no âmbito do Plano Económico e Social (PES) 2015 com vista ao apregoado desenvolvimento. Antevê-se, como de costume, uma Frelimo e uma oposição envolvidos num “bate-boca” que não contribui para a resolução dos problemas do povo.

O partido no poder quer saber que trabalho está a ser feito para a mitigação do impacto das cheias, que anualmente deixam milhares de famílias sem tecto, bairros alagados e vias intransitáveis, infra-estruturas destruídas, entre outros danos.

As duas últimas vezes que o Executivo esteve no Parlamento, para uma sessão igual, foram em Julho, depois de em Abril ter testemunhado a aprovação do Orçamento do Estado e PES com o beneplácito da Frelimo, pese embora, aos olhos da Renamo e do MDM, os documentos não alinhassem devidamente com as necessidades dos moçambicanos que ainda vivem em cabanas de pau-a-pique, em zonas onde a energia eléctrica e a água potável são ainda uma mordomia de poucos.

No Parlamento, em vez de “esgotarem” o Governo com questões de fundo sobre as matérias que inquietam a população, os deputados perdem mais tempo a glorificar e tentar endeusar os líderes das formações políticas de que provêm, a trocar “mimos” e insultos.O Governo vai à AR tranquilo porque, para além do suporte da Frelimo, sabe de que não há partido que o ponha numa “camisa-de-forças”.

Para a Renamo, a política económica do Estado visa o desenvolvimento, a melhoria da vida do povo e o uso eficaz de diversos recursos. Neste contexto, o partido quer saber, na mesma sessão, que critérios de distribuição de riqueza estão a ser levados a cabo pelo Governo, bem como compreender os motivos da alegada perseguição a Afonso Dhlakama.

Sobre esta questão, o economista João Mosca, que falava numa formação dos deputados do partido presidido por Afonso Dhlakama, em Maputo, comentou o PES 2016, tendo dito que o regime “não devia dizer que a economia da República de Moçambique é robusta enquanto sobrevive de impostos de outros povos, principalmente dos países ocidentais”.

A Renamo, cujo líder está em silêncio absoluto, desde que os seus homens foram surpreendidos e desarmados na Beira pela Forças de Defesa e Segurança, espera ainda saber do Executivo de Filipe Nyusi a que se deve, “volvidos 40 anos da independência”, o facto de o desenvolvimento ser “desequilibrado entre as regiões norte, centro e sul” da Pérola do Índico.

João Mosca afirmou que “a pobreza está a acentuar-se cada vez mais, aliás, os planos económicos e sociais que o país vem aprovando incluindo o que vai ser aprovado para 2016 não contemplam acções coordenadas tendentes a combater a pobreza. Pelo contrário, produzem mais pobres e a nomenclatura partidária do regime a ficar cada vez mais rica”, segundo uma publicação da “Perdiz”.

O MDM, que considera haver gestão danosa, quer saber da saúde das empresas públicas participadas pelo Estado e quantas existem, entre elas a Moçambique Celular (mcel), a Empresa Moçambicana de Seguros (Emose), as Telecomunicações de Moçambique (TDM) e outras que foram alvo de visitas de Carlos Agostinho do Rosário, Primeiro-Ministro.

Sobre a polémica Empresa Moçambicana de Atum (Ematum) o partido de Daviz Simango quer, novamente, ser esclarecido relativamente à dívida de 850 milhões de dólares norte-americanos. Para si, “o desenvolvimento nacional” depende de “uma economia forte”, que gera empregos e, também, de firmas públicas rentáveis, que multiplicam as receitas.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!