Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Governo exige participação nas concessões mineiras

Moçambique vai rever a actual legislação mineira de modo a permitir que o Estado tenha uma participação nas empresas com concessões mineiras no país.

Falando na abertura da Conferência Internacional sobre o Carvão, que decorre desde esta Terça-feira em Maputo, a ministra dos Recursos Minerais, Esperança Bias, disse que actualmente, estão em curso discussões sobre a revisão da actual Lei de Minas, em vigor desde 2002.

“O Estado deverá ter uma percentagem de participação nos consórcios ou empresas titulares de concessões mineiras para a exploração de recursos minerais considerados estratégicos como, por exemplo, o caso do carvão”, disse Bias.

Segundo a ministra, nestes empreendimentos, a participação do Estado será exercida através da Empresa Moçambicana de Exploração Mineira, SA (EMEM).

A governante disse que vários aspectos estão sendo discutidos no âmbito da revisão da legislação mineira, entre os quais a necessidade de tributação fiscal de ganhos de capital a resultarem da transmissão de títulos mineiros a terceiros.

Esta medida visa permitir que o Estado tenha ganhos na disputa pelo controlo das operações mineiras no país, como foi o caso recente entre a gigante anglo-australiana e a companhia indiana Tata pelo controlo da Riversdale Mining, uma operação que, envolveu mais de um bilião de dólares americanos.

“Como proprietário dos recursos minerais, o Estado deverá também partilhar de quaisquer benefícios resultantes da transmissão de títulos mineiras”, disse a ministra Esperança Bias.

Esta reforma da legislação também abrange questões relacionadas com a origem da preferência das empresas na prestação de bens e serviços, exigência dos requisitos de protecção e gestão ambiental e validade dos diferentes tipos de títulos mineiros.

Sobre essa última questão, Esperança Bias explicou que os períodos dos títulos mineiros não deverão exceder o tempo para o cumprimento de programas de trabalho adequados como forma de evitar a existência de áreas tituladas sem nenhum exercício de actividade.

“Áreas tituladas sem qualquer actividade deverão ser revogadas e aos seus titulares não deverão ser atribuídas novas licenças”, frisou a ministra.

Na sua intervenção, Bias disse ainda que Moçambique tem vindo a ser considerado como um dos países com maiores reservas de carvão a nível mundial, em particular o carvão coque.

“Os resultados obtidos através da realização de trabalhos de pesquisa pelos titulares mineiros correspondem a tal expectativa”, disse Bias, acrescentando que “registou-se um incremento muito significativo do grau de conhecimento geológico sobre as ocorrências de carvão em Moçambique, com particular destaque para as já identificadas nas províncias de Tete e Niassa”.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!