Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

https://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.html
Publicidade

Governo convoca população, Polícia e militares

O Governo da província do Niassa, Norte de Moçambique, vai envolver mais a população, Polícia e militares no controlo da sua reserva natural, para travar o saque de marfim por caçadores furtivos. Evitando negar ou admitir eventual cumplicidade da população na pilhagem dos recursos florestais e fauna bravia por estrangeiros, na sua maioria oriundos da Tanzânia e da região dos Grandes Lagos, o Governador do Niassa, David Marizane, disse que a população tem um papel importante a jogar na preservação da riqueza do país.

“A população deve-se sentir dona dos recursos existentes e deve estar atenta para confiscar e travar a onda do saque. Daí a necessidade de a envolver na protecção da reserva. A Polícia e os militares também (devem ser envolvidos), para defesa da economia do país”, disse David Malizane, durante uma reunião do Ministério da Administração Estatal, que decorreu no Chimoio, Centro do país.

52 elefantes abatidos

Dados do Governo do Niassa indicam que só este ano 52 elefantes foram abatidos e retirados os troféus por caçadores furtivos, contra 72 abates registados em 2010. “Eles (os estrangeiros) devem ter descoberto um novo mercado para os troféus, pois quando abatem os elefantes não levam a carne. A população tem vindo a descobrir ossadas de elefantes já abatidos, por isso devem fiscalizar mais a madeira, a caça furtiva e o garimpo”, frisou David Malizane.

Ainda segundo a fonte, além do saque dos troféus, a caça furtiva tem vindo a aumentar casos de conflito Homem/ animal, pois os paquidermes fogem das suas áreas habituais para invadirem regiões habitadas, destruindo campos agrícolas e celeiros. “O tom do discurso da população mudou, agora percebe que o seu recurso está a saque, pois apanha elefantes abatidos a decompor- se, enquanto bem podia usar-se a carne para alimentação”, disse Malizane, que quer a fronteira com a Tanzânia, a porta de entrada dos furtivos, mais controlada.

A província do Niassa possui um dos maiores lagos de África, com mais de mil espécies de peixe de ornamentação, o que tem atraído turistas para a região, que tem vindo a conhecer um crescimento da indústria hoteleira e turística.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!