Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Governo convida empresários a investir em embalagens

O Governo moçambicano convidou na passada sexta-feira (10), em Maputo, os empresários moçambicanos e estrangeiros a investirem no sector de embalagens no país. Segundo a Vice- Ministra da Planificação e Desenvolvimento, Amélia Muendane Nakhare, num contexto internacional de grande competição e integração regional, Moçambique deve orientar os seus esforços para a revitalização e modernização da sua industria de embalagem.

Nakhare disse que o grande desafio do país é desenvolver capacidades para inovar e gerar tecnologias apropriadas de modo a reduzir o choque da erosão gradual da competitividade da indústria nacional de embalagem. Neste contexto, a governante moçambicana convidou o empresaeriado nacional a abraçar este importante desafio.

A Vice-Ministra falava durante uma conferência organizada pelo Instituto para a Promoção de Pequenas e Médias Empresas (IPEME), por ocasião da realização da II Feira Internacional de Embalagens e Equipamento de embalagem (MozNegócios), que decorre desde a última quarta-feira, na capital moçambicana. Na conferência participam para além de empresários e produtores moçambicanos, representantes da Alemanha, Índia, Brasil e Africa do Sul. Segundo ela, o sector carece de bases para o seu impulsionamento de modo a satisfazer as necessidades básicas da produção para o consumo interno, bem como para o desenvolvimento de produtos orientados para a exportação. “Moçambique tem enfrentado necessidades crescentes de embalagem nos últimos anos, resultante do seu rápido crescimento económico, num contexto em que o mercado internacional de embalagem é mais competitivo e com regras em constates mudanças na busca de satisfazer as exigências do consumidor”, disse.

No passado, Moçambique teve uma indústria de embalagem diversificada, desde a plástica, de papel e cartonagem, metálica, de vidro, de madeira e a sacaria diversa, como sisal e juta, que permitiam a auto-suficiência do país, assim como a divulgação da sua imagem no mercado internacional. A situação reverte-se nos anos 80, quando a capacidade de produção reduz no país e o sector de embalagem ficou paralisado. Desde essa altura aumentaram as importações destes artigos. Nos últimos 20 anos, o país tem estado a envidar esforços para revitalizar a indústria. Nesse sentido, o Governo aprovou uma série de incentivos para atrair mais investimentos.

Actualmente, funcionam em Moçambique 33 empresas neste sector, das quais 27 com embalagem plástica, quatro de cartão canelado e duas de embalagens metálicas. Nakhare referiu que existem várias oportunidades de investimentos em diversos sectores de actividade identificados pelo Governo, cujo impacto se reflecte no desenvolvimento e consolidação da indústria de embalagem. Tais oportunidades existem nos sectores da agricultura, pescas e aquacultura, bem como indústria. Na agricultura existem oportunidades na produção de cereais, frutas, flores, citrinos, castanha de caju, pimentas e paprica, bem como diversos vegetais, para o mercado local e para a exportação.

“A comercialização no mercado local e de exportação destes produtos requer embalagens de elevada qualidade, que muitas vezes são importadas”, frisou. No que refere a pesca e aquacultura, a Vice-Ministra explicou que a maior parte da embalagem para o acondicionamento do pescado, com destaque para o camarão, que vai para a França, Espanha, Portugal, Japão e China são importados. “Um dos grandes desafios do país é acrescentar valor aos seus produtos primários e, desta forma, maximizar os seus recursos naturais. Este sector, nas suas várias vertentes, oferece oportunidades de investimento em quase todo o país. A indústria têxtil, de transformação de produtos agrícolas, de transformação de alumínio, carvão, gás, petróleo, ferro e aço, entre outros são alguns dos exemplos a ter em conta pelo sector de embalagens”, salientou. Por sua vez, a Odete Semião, do Centro para a Promoção de Investimentos (CPI), disse, na ocasião, que existem inúmeras oportunidades de investimento neste sector, visto que os projectos em implementação neste país localizam-se apenas em cinco das 11 província do país.

Por outro lado, existe défice de operadores de embalagens de vidro e plásticas para acondicionamento de leite, iogurte e sumos, bem como de papel para batata, entre outros produtos. “Neste momento existem vários projectos em curso na cidade e província de Maputo, um em Manica, outro em Sofala e sete em Nampula e Nacala-Porto. Estes dados mostram que há oportunidades para se investir mais no sector de embalagens”, defendeu. A questão da embalagem é importante e influi na apresentação do produto, bem como na credibilidade da sua qualidade.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!