Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Governo chinês decidiu bloquear o Google+

O Governo chinês decidiu bloquear o Google+, apenas um dia depois do lançamento desta nova rede social. As autoridades de Pequim foram rápidas a actuar, seguindo a mesma política que já tinha sido tomada com outras redes sociais como o Facebook e o Twitter, escreve o diário inglês Guardian. O cerco a estas novas formas de comunicação está cada vez mais apertado desde que foram utilizadas para mobilizar as revoluções no mundo árabe.

De acordo com o site Great Firewall of China, que utiliza um servidor com base na China para tentar aceder a vários endereços externos, os utilizadores do Google dentro do país estão impedidos de aceder a qualquer página a partir do google.com, o que inclui o url do Google+. O Just Ping, que faz os mesmos testes que o outro site referido, também reportou a mesma situação.

O gigante tecnológico Google, que em Março último começou a redireccionar os seus internautas para servidores de Hong Kong, acabou por recuar temendo represálias.

Depois do fracasso do Buzz e do Wave e da popularidade relativa do Orkut – que, apesar de tudo, continua a liderar no Brasil -, o Google insistiu nas redes sociais e apresentou ontem o Google+. Círculos sociais onde a privacidade das conversas se pode escolher de forma mais intuitiva parecem ser a aposta do gigante tecnológico.

Google+ e Facebook

O Google tem uma espinha na garganta e essa espinha tem a forma de um F, de Facebook. Apesar de ter começado a percorrer o campo das redes sociais há muitos anos, com o Orkut, depressa o Google perdeu a batalha para a mais popular rede do momento, que recentemente alcançou a fasquia dos 750 milhões de utilizadores em todo o mundo.

Mas o Google nunca se deu por vencido e as últimas batalhas travadas neste campo, com o Google Buzz e o Google Wave, acabaram em fracasso.

Mostrando, porém, que o Google não vai ao tapete, a empresa anunciou mais uma tentativa de fazer frente ao Facebook com o seu Google+, que permite a partilha de fotografias, mensagens e comentários.

O Google diz que o objectivo é ajudar os utilizadores a mais facilmente organizarem os seus contactos criando “círculos” de amizade específicos. Alguns analistas que já viram o produto estimam, segundo a BBC, que este Google+ se limita a reproduzir algumas das características do Facebook, acrescentando-lhe a função de videochat.

Em comunicado, o Google explica que “o problema dos serviços online actuais é que consideram que todas as pessoas que conhecemos são nossos amigos e a forma de partilharmos a informação com os nossos contactos nem sempre pode ser a mesma”.

“Cada conversa online [com mais de 100 amigos] é uma sobreexposição pública”, razão pela qual a Google considera que cada vez mais se partilha menos informação.

Para que se partilhe cada vez mais – e não menos – informação com a nossa rede de amizades, o Google+ permite arrastar contactos para um círculo específico, podendo depois cada utilizador enviar mensagens sobre temas específicos para cada círculo, sem que todos os seus contactos fiquem a par dessas “conversas” privadas. O Facebook também permite essa “separação das águas” quando decidimos enviar mensagens privadas para um conjunto delimitado de contactos.

A versão actual do Google+ só foi até agora disponibilizada para um pequeno número de pessoas, mas a empresa diz que espera que em breve a rede social esteja disponível para os milhões de indivíduos que usam os seus serviços diariamente.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!