Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Governo centra atenções no antigo Porto de Macuse na Zambézia

Quase a meio do mandato, o ministro dos Transportes e Comunicações de Moçambique, Paulo Zucula, visita finalmente a província da Zambézia, por cinco dias, depois de sucessivos adiamentos.

Na sua estadia a Zambézia, Paulo Zucula agendou diversas visitas aos locais da sua área de trabalho e encontros com os sectores que incorporam os transportes e comunicações.

E um dos locais que Zucula visitou, esta Quinta-feira, foi o Porto de Macuse, situado no Posto Administrativo do mesmo nome, distrito de Namacurra.

Já há muito que o governo de Moçambique tem vindo a olhar Macuse como um dos pólos de desenvolvimento, dai o interesse não é pouco.

Fala-se da construção dum porto de águas profundas, actividade projectada para os próximos anos, conforme as promessas.

O próprio presidente da República de Moçambique, Armando Guebuza, não se cansa de dizer que para além do Porto, o governo pretende construir uma linha férrea que partirá de Mutarara, em Tete, até Macuse. Ninguém fala dos custos destas actividades todas.

Zucula em Macuse

O ministro dos Transportes e Comunicações esteve em Macuse e viu com os seus próprios olhos o quão vale o porto de Macuse, que ficou paralisado desde os anos 80.

Macuse é considerado um porto melhor que o de Quelimane. Já atracaram outrora naquele porto, navios de grande calibre vindos de Portugal, Holanda, Canadá, isto na altura em que a produção da copra era uma actividade rentável.

De lá para cá e com a guerra dos 16 anos, Macuse ficou como ficou e a população não sabe o que fazer, porque nem o porto, nem o coqueiro tem.

Na sua visita, Zucula disse que já foi encomendado um estudo de viabilidade económica para que saiba se há possibilidades de a construção daquele porto.

Sem avançar custos da operação, o ministro garantiu apenas que só o estudo de viabilidade é que vai dizer tudo.

“Estamos a trabalhar neste estudo, que poderá durar pelo menos um ano, só depois é que veremos se avançamos” – rematou a fonte.

Num outro desenvolvimento, a fonte fez saber que o governo está a trabalhar para encontrar parceiros com vista a materializar o projecto de Macuse, dai que neste momento não importam os valores, aliás, também porque o governo não tem dinheiro para este projecto.

Refira-se que, esta Sexta-feira, Paulo Zucula visita o distrito de Chinde, sul da província da Zambézia no prosseguimento da sua visita, que termina este Domingo.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!