Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Governo aprova regime de regularização dos contratos dos agentes do Estado

Foi aprovado nesta Terça-feira o decreto que estabelece o regime de regularização dos contratos em situação irregular dos agentes de Estado em exercício nos órgãos centrais, provinciais, distritais e instituições cuja remuneração é suportada pelo Orçamento do Estado.

Abrange ainda os agentes cujo vinculo laboral com a Administração Pública tenha sido interrompido na sequência da aplicação do mecanismo electrónico de processamento de salário. Trata-se de pelo menos dez mil professores e outros agentes do Estado em situação irregular.O dispositivo em causa terá um período de vigência que se estende até finais de 2014.

Segundo explicou a ministra da Função Pública Vitória Diogo, este é um mecanismo específico e excepcional encontrado pelo Executivo para regularizar a situação destes funcionários públicos, uma vez que a via normal é através do concurso público. A governante disse ainda que os agentes trabalham para o Estado em regime de contrato, tal é o caso de muitos professores e enfermeiros poderão querendo também entrar nos quadros do Estado.

“Temos também com destaque para o sector da Educação e Saúde um grande número de profissionais que tem contratos legalizados e que possuem visto do Tribunal Administrativo. Este decreto abre espaço para que estes agentes do Estado, sendo na maioria professores, auxiliares e enfermeiros, possam entrar para o quadro do Estado, querendo” disse.

Disse ainda que esta decisão vem responder ao interesse manifestados por esses profissionais de pertencer aos quadros do Estado. A titular da Função Pública esclareceu ainda que este esta situação não constitui um novo encargo para o Governo por se tratar apenas de uma regularização da situação contratual do pessoal que já vem trabalhando e recebendo via Orçamento do Estado.

Para os casos de profissionais que não reúnem requisitos para serem afectos na Administração Pública como funcionário e agentes do Estado, o decreto prevê que sejam vinculados através de contratos por um período indeterminado. “O contrato por tempo indeterminado abre espaço para que esses profissionais possam descontar para a compensação de pensão de aposentação, assistência médica e medicamentosa e também para o subsídio de funeral”.

Diogo alertou ainda para o facto de este instrumentos estabelecer medidas punitivas para os funcionário ou dirigentes que intencionalmente ou por negligência criarem algum problema que vise prejudicar ou favorecer ilicitamente alguns destes agentes.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!