Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Gorongosa regista forte incremento do turismo em 2010

De acordo com as estatísticas de visitantes de 2010, O Parque Nacional da Gorongosa está prestes a tornar-se de novo num dos primeiros destinos de ecoturismo em África, tal como acontecia nos anos 60 e 70, quando estrelas de cinema, astronautas e outras celebridades visitavam a Gorongosa.

O número de turistas que visitaram a Gorongosa em 2010 excedeu os 5.500, o que representa um aumento de 20% em relação aos visitantes de 2009.

Este resultado é ainda mais impressionante se se tomar em consideração que a Gorongosa é um destino turístico específico e remoto e que as visitas de turistas a África cresceram somente 6% no último ano.

“Os visitantes internacionais representaram a maioria dos turistas, contudo estamos muito orgulhosos por ver um extraordinário aumento dos turistas Moçambicanos em 2010” – realce uma nota do Parque Nacional da Gorongosa enviada à nossa Redacção, a qual acrescenta que as visitas de Moçambicanos ao seu Parque Nacional aumentaram 45% no último ano e muitos deles deixaram mensagens de congratulação no Livro de Honra do Parque como forma de comemorar a primeira das que se esperam sejam muitas visitas.

O documento refere ainda que este aumento da procura ajuda a perceber a importância do Concurso Público Internacional para atrair novos Operadores Turísticos para o Parque Nacional da Gorongosa.

Conhecidos operadores de safaris, cadeias hoteleiras e operadores turísticos de todo o mundo entregaram as suas propostas para algumas das áreas seleccionadas no Parque, que foram destinadas ao desenvolvimento turístico sustentável pelo Governo de Moçambique.

Cada área de desenvolvimento turístico – a maior das quais com um pouco mais de 47.000 hectares – irá albergar vários acampamentos de tendas de luxo e acampamentos de tendas volantes.

Duas áreas situadas na periferia do Parque poderão construir cabanas de luxo. Os novos acampamentos serão construídos de acordo com as estritas políticas ecológicas do Parque e serão, sem dúvida, das mais “verdes” estruturas turísticas de África e de todo o mundo.

A maioria dos acampamentos será construída perto de (mas não em) zonas húmidas, áreas cársicas, terrenos de reprodução e áreas onde o zoneamento do Parque permitir safaris de jipe, passeios a pé acompanhados de guia e outras actividades para turistas.

Algumas áreas de desenvolvimento turístico incluem “zonas de natureza selvagem”, onde serão efectuadas excursões de forma restrita ou exclusivamente limitadas a caminhadas a pé.

Todas estas novas iniciativas turísticas começarão a ser construídas em 2011 e irão criar empregos de longa duração para os membros das comunidades situadas na zona tampão do Parque.

O Ministério do Turismo de Moçambique e o Projecto de Restauração da Gorongosa estão a seleccionar os projectos que melhor se enquadrem nos elevados padrões ecológicos do Parque, assegurando que o ecossistema seja preservado e que seja criada uma indústria turística sustentável.

Cinquentenário do PNG

O Parque Nacional da Gorongosa – um tesouro mundial de biodiversidade – celebrou em Julho de 2010 o seu Quinquagésimo Aniversário.

A Gorongosa em 1960 passou oficialmente a ser designada por Parque Nacional; anteriormente era uma Reserva de Caça, onde, por decreto, desde 1935 a caça não era permitida.

O Parque da Gorongosa, tal como outras reservas naturais em todo o mundo, pode vir a desempenhar um papel preponderante no que respeita à protecção das espécies e respectivos habitats.

Se geridos de forma correcta, os parques nacionais protegem a biodiversidade e portanto contribuem para diminuir o número de espécies terrestres que se irão extinguir neste século.

Os parques também proporcionam inúmeros empregos directos o que para além de significativo, tem um efeito positivo e multiplicador nas comunidades circundantes.

A gestão do Parque da Gorongosa adoptou uma nova filosofia sobre a finalidade dos parques nacionais – diferente portanto da filosofia de gestão para áreas protegidas, vigente há algumas décadas atrás.

“Agora, reconhecemos que um parque nacional deve ajudar os seres humanos que residem nas suas redondezas e não apenas preservar a natureza” – destaca a nota enviada à nossa Redacção.

“A parceria público-privada de 20 anos para a co-gestão da restauração da Gorongosa disponibiliza-nos um mandato de forma a prosseguir os dois objectivos relativos ao desenvolvimento humano e à protecção da biodiversidade”.

Esta abordagem holística à restauração do ecossistema da Gorongosa, em que o bem-estar dos seres humanos é parte integrante do projecto de restauração, pressupõe a interligação entre os seres humanos e a natureza.

Os seres humanos precisam da natureza: os ecossistemas dão-nos ar puro, água, solo fértil, abrigo, nutrição, inúmeros recursos naturais e recompensas estéticas e espirituais.

Os seres humanos são também eles próprios uma componente da natureza. A actividade humana afecta a natureza de forma positiva e também negativa.

A conservação é a maneira que temos de reduzir os impactos negativos resultantes da vivência e interacção dos seres humanos com o meio ambiente.

Para fomentar o apoio político à conservação, as necessidades dos seres humanos têm de ser atendidas à medida que pedimos à sociedade para preservar e proteger os “pontos quentes” de biodiversidade

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!