Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

https://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.html
Publicidade

Gorilas ameaçados por traficantes e milícias na bacia do Congo

O gorila da bacia do Congo, espécie vítima de traficantes de animais e milícias, vive em um habitat que se reduz implacavelmente ao ponto em que poderá desaparecer de regiões inteiras em um prazo de 10 a 15 anos.

Num relatório intitulado “A Última Batalha do Gorila”, apresentado nesta quarta-feira em Doha, onde se celebra a conferência da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas da Fauna e da Flora Silvestres (CITES), especialistas da ONU pediram ajuda à Interpol e à Monuc, Missão de paz das Nações Unidas na República Democrática do Congo (RDC).

A conferência da CITES, que encerra seus trabalhos na quinta-feira, se preocupou particularmente com o aumento da caça ilegal e do tráfico de espécies, no qual se destaca o envolvimento do crime organizado. Os gorilas são caçados por causa de sua carne e como troféus de caça, mas sobretudo são vítimas colaterais dos traficantes e das milícias que atuam na RDC, afirma Christian Nellerman, do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma).

A região onde os gorilas vivem se estende da Nigéria ao Camarões, do Gabão aos dois Congos e à região dos Grandes Lagos (Ruanda, Burundi, Uganda). “Em estudo feito em 2002, estimou-se que apenas um terço do território dos gorilas subsistiria em 2030. Mas as coisas vão muito além” e “no ritmo atual, só restará dez por cento”, destacou Nellerman.

O funcionário culpou a “extração ilegal de recursos naturais, minerais e madeira, sobretudo no leste da RDC, onde certas empresas exportam de duas a dez vezes mais que o autorizado por suas concessões oficiais”. “As milícias que operam no leste da RDC são os atores principais deste contrabando, cujos produtos são vendidos a empresas de Europa e Ásia”, acrescentou. Este tráfico, que Nellerman estimou em 700 milhões de dólares anuais, reduz gradativamente o habitat natural do gorila e ameaça sua sobrevivência.

Ian Redmond, consultor do Programa sobre a Sobrevivência dos Grandes Símios (Grasp), dirigido pelo Pnuma e pela Unesco, considerou que “todas as espécies de gorilas estão ameaçadas, com exceção do gorila da montanha” (que vive entre Ruanda, RDC e Uganda). “O tráfico de carne é uma das causas (…), mas ele só representa de um a dois por cento do mercado”, destacou, explicando que os filhotes de gorila são encomendados por colecionadores do mundo inteiro e que a espécie é vítima colateral dos caçadores ilegais de rinocerontes e elefantes, cujo alvo são os chifres e o marfim.

Finalmente, as espécies tão próximas ao homem também ficam expostas a epidemias, com a febre hemorrágica Ebola. A soma de ameaças levou o Pnuma a pedir o apoio da Interpol “para que nos ajude a investigar e processar na Justiça as empresas cúmplices destes delitos”, disse Nellerman.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!