Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Gaza: estrada regional “445” já está em reabilitação

As obras de reabilitação da Estrada Regional Número 445 (ER445), no troço Manjangue – Massingir, na província de Gaza, Sul de Moçambique, estão em curso desde o passado mês de Janeiro.

O projecto, que abrange uma extensão de 115 quilómetros, é orçado em mais de 147 milhões de meticais (o dólar EUA equivale a cerca de 31 meticais) e foi adjudicado a ‘NCC- Moçambique’, uma empresa de construção civil que ganhou o concurso lançado para o efeito, em 2010, pelo Governo de Moçambique, através da Administração Nacional de Estradas (ANE).

O Director dos Serviços Distritais de Infra-estruturas em Massingir, Humberto Cossa, disse esta semana que o projecto tem a duração de 12 meses e visa essencialmente lançar ‘um novo tapete asfáltico’ em todo o troço. As obras são suportadas pelo Orçamento do Estado, através do Fundo Nacional de Estradas.

Para além da ER445, o governo distrital de Massingir está a prepara-se para lançar acções de manutenção de rotina de outras vias do distrito. A fonte não avançou o valor disponível para o efeito, afirmando apenas ‘que os fundos serão disponibilizados quando for aprovado o plano de actividades do distrito”.

Paralelamente, o Governo de Massingir está a procurar melhorar o fornecimento de água potável as populações locais. A medida, segundo Humberto Cossa, inclui a contratação de mais técnicos para trabalharem no pequeno sistema instalado na vila distrital.

Em relação as zonas rurais, Cossa disse que a sua instituição planificou abrir novos furos de água, para além de reabilitar mais de Dez que, neste momento, estão inoperacionais.

Devido a problemas de água, há zonas de Massingir onde as pessoas continuam a percorrer distancias superiores a 15 quilómetros a procura de uma fonte de abastecimento deste liquido vital, principalmente nas comunidades localizadas na margem direita da estrada ER445 que liga Chokwe e Massingir, sentido Este-Oeste.

“Estas comunidades chegam a beber água dos charcos que normalmente aparecem no período chuvoso”, disse Humberto Cossa, ajuntando que há uma extrema necessidade de se angariar fundos, do Orçamento do Estado e dos próprios doadores, para a construção de fontanários para as comunidades que vivem nas zonas mais secas.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!