Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

EDITORIAL: Ganham mal uma pinóia

Afinal os deputados ganham mal? Coitados. Ganham tão pouco os pobrezinhos e – grande castigo – estão na Assembleia da República para servir patrioticamente os interesses de 22 milhões de moçambicanos ingratos que, agora, aplaudem a aprovação de um lei que empobrece grande parte dos 250 servidores públicos.

Neste rochedo à beira-mar não sei por que cargas de água foram criar ardilosamente uma lei que prevê o empobrecimento lícito do deputado. Como, digam-nos, é que viverá um deputado sem os outros rendimentos que a Lei de Probidade Pública vai extirpar?

Como é que vai viajar ou beber um whisky velho enquanto “debate” a pobreza dos moçambicanos? Quem há-de ir viver principescamente nas praias e lodges de Inhambane? Quem vai gastar balúrdios em restaurantes?

Não se pode brincar com a dignidade de um deputado senhores. Temos de concordar com eles quando dizem que o Governo deverá aumentar “adequadamente” os salários. Ou seja, há um estilo de vida que é preciso manter, preservar e legitimar. Afinal eles trabalham que se fartam.

Debatem e estão na Assembleia da República em nome do país. Não servem interesses pessoais e nem partidários. Ninguém pode dizer que alguma vez viu um deputado pregar o olho em pleno trabalho. Isso seria uma acusação espúria. Aliás, foram eles que se levantaram para propor a renegociação dos megaprojectos. Lutam para aumentar o salário mínimo para níveis admissíveis.

Não foram estes mesmos deputados que contestaram o bypass da Mozal? Não foram eles que mostraram, por A, B e C que as manifestações populares de um e dois de Setembro, de 2011, resultaram do descontentamento popular?

Não foram eles que disseram que é preciso criar políticas de habitação? Não foram eles que abdicaram de luxos em nome da austeridade? Não. Não foram eles. Foi o povo que se viu com um corpo mais esquelético que arcou com tudo.

Foi o povo que suportou e, no futuro, será vítima do bypass. Foi o povo que engoliu, em seco, a poesia da cesta bá(frá)sica. É o povo que morre por falta de medicamentos. É o povo que morre em Cateme por causa de um reassentamento mal concebido, egoísta e indigno.

É o povo que votou em vós sem vos conhecer o rosto. É o povo que não sabe a quem cobrar os votos que depositou. Portanto, não falem em sacrifícios. Vocês não sabem o que é isso.

Desde que tomaram o poder – leia-se um lugar no parlamento – vocês só engordam, dormem e enriquecem pornografi camente. Vocês não sabem o que é ser transportado numa carrinha sem a mínima segurança. Vocês não sabem o que é (sobre)viver com 2500 meticais. Em suma: vocês não sabem o que é sacrifício.

Para terminar como o bom do Chico Nhoca, que tal vocês olharem para o salário dos seguranças, polícias, enfermeiros, carpinteiros, pedreiros, chapeiros e vendedores informais deste país para depois, se tiverem vergonha na cara, solicitarem um aumento “adequado”? Que tal?

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

error: Content is protected !!