Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Gana 0 – Alemanha 1, Um perde, mas os dois ganham

Gana 0 - Alemanha 1

Na vitória por 1 a 0 da Alemanha sobre Gana, todo mundo saiu comemorando. Embora tenha perdido a partida, levado algum susto e deixado a liderança do Grupo D, os Estrelas Negras conseguiram a vaga nos oitavos de final da Copa do Mundo da FIFA África do Sul 2010, tornando-se o único país do continente a passar de fase, até esta altura.

Embora não tenha repetido no imponente estádio Soccer City, em Johanesburgo, em seus dois jogos seguintes o alto nível de sua exibição de estreia, a Nationalelf recuperou-se bem do susto sofrido com o revés diante da Sérvia e classificou-se em primeiro lugar. Agora, a equipa prepara-se para um clássico imperdível contra a Inglaterra. Gana, por sua vez, jogará por sua sobrevivência contra os Estados Unidos.

A partida foi movimentada e ganhou alguma dose extra de emoção à medida que os golos entre Austrália e Sérvia, o jogo simultâneo do grupo, iam acontecendo. Estas duas equipas nunca chegaram a estarem classificados durante a jornada, eles estiveram perto, o que aumentava a pressão nas costas dos ganenses.

O empate não era de todo mal para a alemães e ganeses (desde que Sérvia não ganhasse da Austrália), contudo, as equipas fizeram uma partida aberta, corrida, com oportunidades claras de golo para ambos os lados, sem tempo para descanso para os guarda-redes Richard Kingson e Manuel Neuer – ao todo, foram 30 finalizações, sendo 11 delas corretas.

Uma sequência emblemática desse ritmo acelerado aconteceu entre os minutos 23 e 24, quando Kevin-Prince Boateng avançou pela direita ao ataque, ganhou em dividida e conseguiu chegar à área alemã para finalizar. Quando preparou o corte, seu irmão Jerome Boateng, que joga pelo selecionado alemão, fez um desarme providencial e já iniciou o contragolpe. A reposição de bola germânica foi rápida, também pela direita, com um belo passe de Cacau para o jovem Mesut Özil, que ficou cara-a-cara com o guarda-redes, mas bateu fraco diante de sua saída e permitiu a defesa.

Foi assim, especialmente, no primeiro tempo. Depois do intervalo, a Alemanha tentou segurar um pouco mais a bola, dominando a posse em campo, procurando explorar mais sua habilidade em detrimento do jogo vigoroso dos africanos. O golo resultou dessa paciência. Depois de canto curto, o talentoso Thomas Müller carregou a bola em direção a Özil, que toca de lado, caminha pouco com ela e chuta forte no canto direito de Kingson. O ganês nem conseguiu mexer-se: um, por ter a visão encoberta na grande área e, dois, pela precisão da finalização do promissor meia do Werder Bremen, que foi eleito o “Craque do Jogo” em votação dos usuários do FIFA.com.

Nos minutos seguintes ao golo sofrido, Gana ensaiou um abava para cima dos alemães, com muitos remates de longa distância (tal como fez contra a Austrália na segunda jornada), mas não teve muito sucesso. Os alemães souberam proteger sua baliza e fazer o cronómetro correr a seu favor.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!