Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Futuro Brilhante para as Estrelas Negras

Futuro Brilhante para as Estrelas Negras

A realização pela primeira vez de um Campeonato do Mundo de futebol em solo africano criou a expectativa de que alguma selecção do continente pudesse, para além de um bom desempenho, surpreender e fazer um brilharete, afinal neste Mundial da FIFA regista-se o maior número de presenças africanas nos relvados e nas bancadas. África do Sul, Argélia, Camarões, Costa do Marfim e Nigéria não passaram da fase de grupos. Apenas o Gana salvou a honra do continente de um fracasso total.

Não fosse a mão do atacante uruguaio Luis Suarez a parar a cabeçada do jogador ganense Dominc Addiya, no último minuto do prolongamento do jogo dos quartos-de-final, que estava empatado a uma bola, a selecção do Gana teria superado as melhores campanhas africanas na história dos Mundiais da FIFA (Camarões em ´90, e Senegal em 2002). Será o sucesso das Estrelas Negras uma obra do acaso? Terão tido sorte os ganenses?

A resposta é NÃO.

O facto é que há muitos anos o Gana desenvolve um trabalho nas camadas infantis, que começa nos campos de terra batida, envolve crianças de todo o país, passa por academias de formação e culmina com uma selecção nacional de respeito que brilha como nunca num Campeonato do Mundo de futebol, e com muitas estrelas nas principais equipas de futebol europeu – Essien no Chelsea, Muntari na Inter de Milão, Appiah no Bologna, Gyan no Rennes, entre outros. Consciente da dificuldade dos clubes Ganenses para revelar jogadores, a federação espalhou escolinhas de futebol por todo o país. De lá os meninos mais talentosos vão para as academias dos clubes locais, facto que não escapou aos clubes estrangeiros que montaram também as suas na terra de Abedi Pelé.

O Feyenoord da Holanda, por exemplo, tem uma academia na cidade de Gomoa Fetteh, a cerca e uma hora da capital Acra, numa parceria com o Unicef. Aí cerca de 60 adolescentes ganenses e de outros países africanos, com idades entre 12 e 17 anos, têm acesso a bons campos de treino, alimentação, alojamento confortável, academia e aulas, inclusive de informática. Não se fazem testes para a admissão nesta academia; os garotos são escolhidos por olheiros experientes, e os adolescentes que são aprovados perdem a companhia da família, mas ganham a preciosa oportunidade de ter um futuro. Ainda com 12 ou 13 anos, eles já mostram muita habilidade e noção de posicionamento; o talento é todo moldado por vários treinadores, incluindo Sam Arday, um dos mais vitoriosos do país, que comandou a selecção de Gana nas conquistas da medalha de bronze em Barcelona-92 e do Mundial Sub-17 de 1995.

Os melhores jogadores da academia, quando completam 18 anos, têm grandes hipóteses de conseguir uma transferência para o futebol europeu. Em academias como estas um remate certeiro pode ser o bilhete para uma mudança brusca de vida. Todos os jogadores campeões mundiais sub-20 receberam, no ano passado, como prémio um carro novo e mais 10 mil dólares do governo. Uma quantia ainda incalculável para meninos que vêm de países onde cerca de metade da população vive com menos de 1 dólar americano por dia.

E o trabalho continua com a formação de selecções praticamente permanentes nas categorias de base. Essien e Muntari, por exemplo, jogam juntos desde o Mundial Sub-20 de 2001. Sendo quase uma excepção no meio da desorganização que existe na maioria das federações africanas, o Gana tem, naturalmente, colhido resultados significativos:

* Tem uma medalha olímpica

* Conquistou dois títulos Mundiais de sub-17

*  Conquistou um título Mundial de sub-20

*  Esteve nos oitavos-de-final do Mundial de 2006

* Esteve na final da Copa Africana de Nações de Angola e perdeu contra o heptacampeão Egito.

NOTA (*) Só há três países no planeta que se orgulham-se de ter títulos mundiais sub-17 e sub-20 no currículo, designadamente o Brasil e a antiga União Soviética. A equipa base que eliminou o Brasil do Mundial Sub-17 em 2007 também foi a que conquistou o Mundial de Sub-20, novamente contra o Brasil.

O ganense Dominic Adiyiah, melhor marcador do Mundial e Bola de Ouro, juntamente com o guarda-redes Agyei, o lateral Inkoom, os médios Agyemang-Badu e Ayew e o atacante Osei foram incorporados na selecção principal que disputou o Campeonato do Mundo da África do Sul 2010. Ao contrário de outras selecções africanas que apostaram em treinadores famosos e com salários chorudos – Costa do Marfim e Nigéria contrataram técnicos a três meses do Mundial – o Gana apostou num sérvio quase desconhecido. Milovan Rajevac, de 56 anos, assumiu o comando das Estrelas Negras em Agosto de 2008, e conseguiu mesclar a experiência com a juventude e preencher sem problemas a vaga aberta pela lesão do craque Michael Essien.

Vimos nos cinco jogos disputados na terra de Nelson Mandela um Gana forte fisicamente e tacticamente evoluído, explosivo quando foi necessário. Sem grandes malabarismos, poucos golos marcados e poucos golos sofridos, mas com uma força mental e confiança extraordinárias, que falhou apenas no penalti que Gyan, em cima do último minuto do prolongamento dos quartos-de- final, não converteu.

“A equipa, definitivamente, tem um futuro animador e brilhante pela frente, e isso é o mais importante para o futebol ganês”, disse o treinador sérvio, que incluiu 16 atletas abaixo de 26 anos no seu plantel. “O país conta com vários bons jovens jogadores, então a selecção já tem uma base para 2014. Embora a forma como perdemos tenha sido dolorosa e traumática, esta será uma importante experiência para os jogadores, e eles têm muito potencial para alcançar grandes feitos.” Concluiu Rajevac na despedida da África do Sul.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!