Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Fúria das famílias das vítimas do acidente na mina de Hegang

As famílias das vítimas da explosão ocorrida sábado em uma mina do nordeste da China estão furiosas e pedem uma prestação contas: o número de mortos está em 104 e deve aumentar, segundo as autoridades.

Na segunda-feira, em Hegang, na província de Heilongjiang, perto da fronteira russa, as autoridades enfrentaram o desespero e a ira das famílias das vítimas, 48 horas após o mais grave acidente de mineração em dois anos. Em frente a um dos escritórios da mina Xingxing, de propriedade da empresa estatal Longmai, um grupo de mulheres esperava por notícias, em meio a gritos e muito choro. “Não sei nada do meu marido, ele tem 42 anos e eu 40”, disse uma delas, sendo levada para dentro do escritório ao lado de outra mulher, que procurava o irmão. Mais tarde, dezenas de pessoas se reuniram, aparentemente para manifestar a revolta, mas a polícia bloqueou a área e impediu a aproximação dos jornalistas.

Zhang Jinguang, porta-voz da mina, afirmou que a situação não tinha nenhuma relação com a catástrofe e indicou que organizou uma ajuda psicológica para acompanhar as famílias. Segundo o jornal China Daily, cada família vai receber pelo menos 250.000 yuans (24.600 euros) de compensação. Os primeiros elementos da investigação destacam a responsabilidade dos administradores no acidente. “O sistema de responsabilidade para a segurança da mina não funcionou, não havia controle suficiente dos riscos potenciais”, declarou ao canal de televisão nacional CCTV Luo Lin, director da administração do Estado para a segurança no trabalho. “Este acidente está evidentemente relacionado a uma irresponsabilidade”, completou.

Além disso, as autoridades abriram uma investigação para determinar se houve um acordo entre os administradores da mina e os funcionários locais para não aplicar as regras de segurança. Os dois principais directores e o engenheiro chefe da mina foram demitidos, segundo a imprensa chinesa. Ainda na segunda-feira é possível ver a fumaça saindo de uma das entradas da mina. Os homens encarregados do socorro procuram os últimos quatro trabalhadores desaparecidos. Esta é a catástrofe mais grave registrada em uma mina desde a ocorrida em Shanxi (norte do país) em 2007, que causou 105 mortos.

A explosão de sábado aconteceu quando 528 trabalhadores estavam em uma mina, mas 420 deles conseguiram sair a tempo, graças à detecção de níveis anormais de gás 50 minutos antes da explosão. O governador da província, Li Zhanshu, declarou no domingo: “O desenvolvimento é a primeira prioridade, mas ele não pode ser feito às custas do sangue e da vida dos trabalhadores”.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!