Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Fundo climático ainda invisível em Moçambique

A ministra para a Coordenação da Acção Ambiental, Alcinda Abreu, disse que Moçambique ainda ‘não está a ver’ o dinheiro prometido pelas nações mais industrializadas destinado a mitigar os efeitos das mudanças climáticas nos países pobres.

A cimeira das Nações Unidas sobre mudanças climáticas, havida no ano passado em Cancúm, México, acordou a criação do Fundo Verde Climático, através do qual os países desenvolvidos irão desembolsar 30 biliões de dólares americanos no biénio 2010/12, podendo o mesmo valor aumentar para 100 biliões repartidos anualmente a partir de 2013 até 2020.

”Queremos que estes fundos sejam disponibilizados”, disse a governante, falando semana passada em Maputo num encontro destinado abordar a participação do país na 17ª conferência das partes da Convenção sobre Mudanças Climáticas, a decorrer de Novembro a Dezembro próximos na cidade portuária de Durban, na vizinha África do Sul.

Na sua intervenção, a ministra disse que o país está confiante que esses recursos sejam disponibilizados a partir de um futuro breve, uma vez que é necessária uma robustez financeira para melhor implementar as medidas de adaptação as mudanças climáticas.

Abreu defendeu a necessidade de renegociar essas promessas na próxima cimeira de Durban, mas para o efeito é preciso fortalecer uma posição comum entre os países severamente afectados pelas mudanças climáticas, como é o caso de Moçambique.

”Um país sozinho é uma luta inglória. Não conseguimos andar”, disse a fonte, acrescentando que o continente africano já constitui uma vantagem porque possui mais de 50 países, o que não se pode ignorar.

No passado, alguns países africanos, incluindo Moçambique, já defenderam o posicionamento do grupo dos 77 mais a China, porém Alcinda Abreu considera extremamente difícil integrar o país no mesmo em consequência da diferença de interesses com as economias de desenvolvimento rápido.

”Temos que encontrar aliados com desafios comuns, com problemas comuns e África é conhecida como um continente vulnerável às mudanças climáticas e mesmo assim tem se beneficiado menos do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo e créditos de carbono”, sustentou a ministra.

Apesar dessa tendência, a governante reconhece que agora as atenções estão a virar para a África que, por sinal, possui a maioria dos países mais vulneráveis às mudanças climáticas, e Moçambique tem sido uma das prioridades.

Moçambique é um dos países africanos mais afectados pelas mudanças climáticas, fenómeno que já é uma realidade há mais de 40 anos e que se manifesta de diversas formas, incluindo a subida do nível médio das águas do mar e as alterações nos padrões de temperatura e precipitação, com efeitos dramáticos na agricultura, principal actividade económica para a maioria dos moçambicanos.

Aliás, um exemplo apropriado das sérias consequências nas alterações nos padrões de temperatura e precipitação é a actual situação em que se encontra mergulhada a Somália, país do Corno de África, que vive a pior seca dos últimos 50 anos originando um êxodo de refugiados para o vizinho Quénia em busca de auxílio humanitário.

A ministra para a Coordenação da Acção Ambiental disse que, embora seja ainda invisível o Fundo Verde Climático, ao nível unilateral, Moçambique tem estado a negociar financiamentos para projectos de adaptação as mudanças climáticas e mitigação do desmatamento e degradação ambiental.

Segundo a governante, estes financiamentos têm vindo a ser negociados com diversas instituições internacionais, incluindo o Banco Mundial, o Departamento britânico para o Desenvolvimento Internacional (DFID) bem como com os governos da Dinamarca e Noruega.

”Recentemente, soubemos que, no âmbito do projecto de resiliência climática, o Banco Mundial vai começar a desembolsar no primeiro semestre do próximo ano 120 milhões de dólares americanos do pacote de 180 milhões”, referiu ela.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!