Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Fundação Manhiça satisfeita com resultados de 2009

O Presidente da Fundação Manhiça, Pascoal Mocumbi, descreveu o ano 2009 como positivo do ponto de vista técnico científico, porque trouxe progressos que colocam Moçambique na lista de países cujo contributo ajudará a aliviar os problemas da saúde que ainda enfermam a humanidade.

Mocumbi, que foi igualmente primeiro-ministro moçambicano, se referia ao início dos ensaios da 3/a fase de estudos da vacina contra a malária, em curso no país, desde Agosto de 2009, que aumenta as esperanças de ver o produto disponível à comercialização no mercado dentro dos próximos cinco a seis anos.

Os resultados, segundo o presidente, vão sem dúvida ajudar a reduzir a malária, que mata todos os anos milhares de pessoas (mulheres e crianças na sua maioria) e tem um pesado impacto económico e social, sobretudo nas famílias africanas.

A convicção foi expressa na conferência de imprensa havida, hoje, em Maputo, por ocasião da passagem do 2/o aniversário da Fundação Manhiça, constituída em 2008, que é responsável pela gestão do Centro de Investigação em Saúde da Manhiça (CISM), entidade responsável pelos ensaios clínicos da vacina.

Mocumbi enalteceu, por outro lado, a parceria que o CISM tem com outras instituições vocacionadas à investigação em saúde. Aliás, foi mercê desse intercâmbio que cinco novos quadros com o grau de doutoramento se juntaram aquela instituição de pesquisa, estando a dar o seu contributo para a pesquisa científica.

Por seu turno, o Reitor da Universidade de Barcelona, Dídac Ramirez, disse que a investigação local tem um impacto global, numa clara referência ao trabalho que está a ser desenvolvido pelo CISM, mas que os resultados serão para o benefício de milhões de pessoas em zonas onde a malária é endémica.

Ramirez disse, igualmente, nutrir uma grande admiração pelo rigor e serenidade da investigação que o CISM está a desenvolver em parceria com outros centros africanos que vai, sem dúvida, contribuir para o crescimento da investigação no continente africano.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!