Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Fundação Bill e Melinda Gates apoia combate a doenças tropicais negligenciadas em Moçambique

A Fundação Bill e Melinda Gates fez uma doação de 100 mil dólares americanos à Malaria Consortium para a viabilização do projecto de redução de Doenças Tropicais Negligenciadas (DTN), uma iniciativa inovadora que pretende envolver as comunidades no combate a este tipo de pandemias.

Actualmente, vários factores contribuem para a baixa participação das populações em campanhas massivas de tratamento, tais como a compreensão limitada da sua finalidade pela comunidade, daí as elevadas taxas de prevalência de doenças tropicais negligenciadas no país.

Este novo projecto terá como área de foco a província de Nampula, onde estas doenças ocorrem com maior incidência, com destaque para os distritos e zonas mais recônditas.

De acordo com os dados do Ministério da Saúde (2007), alguns distritos de Nampula apresentam 90 porcento de casos de esquistossomose, 78 porcento de helmintos do solo e até 82 porcento de filariose linfática registados em toda a província.

Segundo o MISAU, o projecto também irá adoptar um modelo eficaz de comunicação para a saúde, aumentar a adesão ao tratamento e o conhecimento da população sobre os métodos de prevenção das DTN de uma forma mais ampla.

“Ainda não existem muitos modelos para aumentar a participação da comunidade nestas campanhas, particularmente para reforçar a compreensão em relação a estas doenças e à confiança na eficácia do tratamento massivo da população “, explicou o Dr. Sylvia Meek, director-técnico da Malaria Consortium.

No âmbito deste projecto, a Malaria Consortium Moçambique vai apoiar acções de treinamento de líderes comunitários, trabalhadores de saúde e voluntários na abordagem de diálogo comunitário.

O treinamento visa ajudar a desenvolver a capacidade dos voluntários e líderes comunitários de moderar diálogos estruturados, nos quais os participantes compartilham as suas histórias e percepções sobre as doenças.

“A adaptação da abordagem de diálogo comunitário para as DTN irá gerar uma compreensão mais profunda dos conhecimentos, percepções e experiências das comunidades em relação às DTN e campanhas massivas de tratamento”, disse Meek.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!