Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Funcionário da Justiça Ambiental foi vítima de um atentado em Tete

Um dos funcionários da Justiça Ambiental (JA) cuja indentificação é ocultada por motivos de segurança, baseado na província de Tete, foi vítima de um atentado na sua residência no bairro de Chingodzi-Aeroporto, na madrugada do dia 21 de Agosto, por cerca de 01h25.

Dois indivíduos não identificados, munidos de armas de fogo do tipo AKM, entraram na casa da vítima , arrombaram a fechadura da porta principal e, simultaneamente, gritavam para que ele abrisse a porta ou seria morto, segundo um comunicado de Imprensa enviado ao @Verdade.

A vítima conseguiu fugir para o Posto Policial de Chingodzi-Aeroporto à procura de socorro e apresentar queixa do sucedido. No posto policial os agentes da PRM alegaram não ter meios de transporte para ir verificar o que se passava, nem crédito para telefonar à esquadra mais próxima e que não podiam sair do posto policial porque o comandante não estava presente.

Assim, a única ajuda que poderiam dar seria permitir que a vítima dormisse no posto policial, e foi o que aconteceu. No dia seguinte a vítima foi com os agentes da PRM e o secretário do bairro à sua casa para que verificassem os estragos feitos na sua residência. Para além de cadeados partidos, porta arrombada e três paredes do muro partidas nada foi roubado dentro da sua residência.

Não é a primeira vez que o funcionário em questão é vítima de ameaças e perseguição. A 17 de Julho, foi abalroado por um carro que o perseguia enquanto transitava de motorizada na via pública na cidade de Tete, o embate fez com que perdesse o controle da motorizada e caísse, contraindo ferimentos ligeiros.

“De momento não temos qualquer informação que nos indique se os dois incidentes estão ou não relacionados, nem da motivação dos mesmos, de certa forma eliminamos a possibilidade da motivação ser roubo porque não foi retirado absolutamente nada da sua residência. Esperamos que a Polícia da República de Moçambique investigue o caso”.

A Justiça Ambiental diz que está preocupada com esta situação de intimidação e ameaça do seu funcionário, ora vítima, e chama atenção as autoridades policiais para maior protecção dos activistas. Quem terá interesse em amedrontar um activista?, eis a pergunta da JA.

Além deste episódio, inúmeras vezes a equipa da JA tem sido intimidada e ameaçada a fim de evitar a continuidade do seu trabalho naquela província. “Segundo o Artigo 68 da Constituição da República de Moçambique de 2004, o domicílio e a correspondência ou outro meio de comunicação privada são invioláveis, salvo nos casos especialmente previstos na lei”.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!