Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Frelimo distancia-se das declarações de Marcelino dos Santos

A Frelimo, através do seu secretário-geral, Filipe Paúnde, distanciou-se, terça-feira, das declarações do antigo vice-presidente deste partido, Marcelino dos Santos, segundo as quais o capitalismo e o comércio privado podem atentar contra a unidade nacional.

“Se nós não tivéssemos percebido isto (o perigo do capitalismo e comércio privado), teríamo-nos dispersado, cada um para o seu canto. Logo que surgiram as primeiras zonas semi-libertadas, proibimos o comércio privado e criámos lojas do povo, que serviam apenas o interesse da população”, argumentou Marcelino dos Santos.

“Aquelas são declarações pessoais do camarada Marcelino dos Santos e não reflectem o posicionamento do partido”, disse Filipe Paúnde, citado pelo diário “O Pais”, adiantando que a Frelimo é um partido coerente nas suas decisões e guia-se pelos seus estatutos e pelo seu programa.

Confrontado com o facto de Marcelino dos Santos não ser um “militante qualquer” no partido, por ser um dos fundadores da Frelimo, vicepresidente deste partido, e actualmente membro da Comissão Política e do Comité Central, maiores órgãos desta organização política, Paúnde afirmou que este facto não faz com que as declarações sejam vinculativas.

“Não importa se é ou não um militante qualquer ou um dos fundadores do partido, o facto é que não obedeceu aos comandos para aquilo que disse, isto porque o nosso partido é democrático. Por exemplo, quando o partido quis avançar com a revisão da Constituição, deu-se orientações para a chefe da bancada divulgar isso e assumimos”, disse.

“Nós temos porta-voz do partido e órgãos com declarações vinculativas e não um militante”, acrescentou. Por causa desta “grandeza” de Marcelino dos Santos no partido, o Paúnde diz estar indignado por este nunca se ter expressado contra o capitalismo e o comércio privado.

“É isto que me deixa admirado. Há pouco tempo, tivemos a V Sessão do Comité Central, e o camarada Marcelino não disse nada daquilo e aprovou, e bem, as directrizes do partido”, referiu.

Para justificar este posicionamento a Frelimo, na voz do seu secretário-geral, diz que, para além de promover o comércio privado, tem nos privados os maiores parceiros para a prossecução dos objectivos do partido na sua governação.

“Nós estimulámos o sector privado, inclusive temos a Confederação das Associações Económicas (CTA), a Fematro, entre outras associações económicas, como maiores parceiros do Governo da Frelimo” disse Paúnde, acrescentando que “nós estamos numa economia de mercado e, por isso, precisámos do sector privado”.

O secretário-geral da Frelimo explicou ainda que, pela dinâmica da economia nacional e transnacional, não há espaço para o proteccionismo e conservadorismo económico.

“Hoje, estamos no século XXI e não podemos continuar a pensar como se estivéssemos nos anos 70. Não faz sentido! A sociedade moçambicana não é uma ilha, sofre efeitos internacionais também”, defendeu.

Filipe Paúnde defendeu que a inclusão do sector privado nas prioridades de governação, não é coisa nova, trata-se da continuação dos programas do primeiro presidente de Moçambique independente, Samora Machel, aquando do Programa de Reabilitação Económica (PRE).

“Os ideais de Samora continuam a ser seguidos. Tal como definiu o plano de eliminação da pobreza em 10 anos, hoje estamos engajados na luta contra a pobreza e privilegiamos o sector privado e estatal”, finalizou.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!