Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Fracasso em acordo de transição intensifica confrontos no Iêmen

Forças policiais do Iêmen trocaram tiros esta segunda-feira com oponentes do presidente do país, Ali Abdullah Saleh, um dia depois de o líder ter desistido do acordo para a sua renúncia. Os confrontos em Sanaa diminuíram ainda mais as possibilidades de uma solução política para a crise que já dura três meses.

As manifestações lideradas por jovens do país, com inspiração na onda de protestos que derrubaram os líderes do Egito e Tunísia, buscam encerrar o governo de 33 anos de Saleh. Os Estados Unidos e a Arábia Saudita, que foram alvos de ataques frustrados por uma ala forte da Al Qaeda sediada no Iêmen, estão ansiosos para encerrar o impasse iemenita e evitar a anarquia no governo que pode dar mais espaço para a rede militante global para operar. “Houve violenta troca de tiros e confrontos entre as forças do governo e os guardas do Sheikh (Sadiq) Al-Ahmar”, disse uma testemunha, se referindo ao poderoso líder tribal que está do lado dos manifestantes.

Uma pessoa foi morta e 15 ficaram feridas, entre elas um repórter da agência de notícias estatal Saba, de acordo com testemunhas. A televisão pró-oposição Suhail disse que cinco dos guardas de Ahmar foram mortos e 35 feridos. A informação não pôde ser verificada de maneira independente. A troca de tiros, que destruiu janelas nos escritórios da Saba, acontece depois do fracasso no acordo de transição mediado pelos vizinhos do Golfo Pérsico, o qual Saleh deveria ter assinado no domingo e que lhe daria imunidade, garantindo uma saída digna. A embaixada dos Estados Unidos fechou a sua seção consular por pelo menos dois dias por conta da “situação de segurança”, disse em comunicado oficial.

O governo acusou os homens de Ahmar de atirar contra uma escola e contra o prédio da Saba. O escritório de Ahmar disse que as forças do governo abriram fogo quando foram proibidos de entrar em uma escola pelos seus guardas. O local estava sendo usado por partidários de Ahmar, segundo ele, para armazenar armas. Ao sul da capital, homens armados ligados ao governo abriram fogo contra a sede do partido islâmico Islah, o maior membro da coalizão de oposição do Iêmen, na cidade de Ibb. Saleh abandonou as tentativas de acordo anteriores que buscavam tirá-lo do poder, mas a desistência do último domingo pareceu estar entre as mais agressivas, acontecendo depois que forças leais ao governo encarceraram diplomatas árabes e de países ocidentais na embaixada dos Emirados Árabes Unidos por horas.

DESCULPAS

Saleh pediu desculpas aos Emirados Árabes na segunda-feira. Mas governos estrangeiros criticaram o mandatário por recusar o acordo. “O presidente Saleh é o único que se recusa a fazer as suas declarações casarem com as suas ações”, disse a secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton. “Pedimos que ele conclua os seus repetidos compromissos para uma transferência de poder pacífica e ordenada, garantindo que a vontade legítima dos iemenitas seja atendida. O tempo para ação é agora”, acrescentou.

Uma autoridade do Ministério das Relações Exteriores do Iêmen rejeitou as críticas de Hillary e respondeu: “É um problema interno do Iêmen e o Iêmen não aceita soluções estrangeiras impostas ou interferência nos nossos assuntos internos”, disse no site do partido da situação.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!