Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Fome atinge duas regiões da Somália, segundo a ONU

A Organização das Nações Unidas declarou estado de fome em duas regiões no sul da Somália esta quarta-feira e disse que a condição se espalhará rapidamente a menos que doadores tomem medidas. Mark Bowden, coordenador humanitário para a Somália, disse que o sul de Bakool e o Baixo Shabelle haviam sido atingidos pela pior fome na região em 20 anos.

A ONU está a propor “medidas excepcionais” para fornecer “ajuda humanitária em dinheiro” enquanto encontra uma forma de arrecadar volumes maiores de ajuda em alimentos para o sul da Somália, disse Bowden. A ONU também pediu 300 milhões de dólares durante os próximos dois meses para a Somália. “Se não agirmos agora, a fome irá se espalhar para todas as oito regiões do sul da Somália em dois meses, devido à colheita precária e aos surtos de doenças infecciosas”, disse Bowden.

“Cada dia de atraso em assistência é literalmente uma questão de vida ou morte para crianças e suas famílias nas áreas afetadas pela fome.” Segundo a ONU, 3,7 milhões de pessoas na Somália, o equivalente a quase metade da população, está agora em risco. Dessas, 2,8 milhões estão no sul do país, localizado no Chifre da África e assolado por guerras.

Nas regiões mais duramente atingidas, metade das crianças estão subnutridas. “É provável que dezenas de milhares já morreram, a maioria delas, crianças”, disse Bowden.

Anos de secas, que também atingiram o Quênia e a Etiópia, prejudicaram a colheita e conflitos tornaram extremamente difíceis para as agências operarem e acessarem as comunidades no sul do país.

O sul é controlado por insurgentes islâmicos do Al Shabaab, filiado à Al Qaeda, que estão lutando para derrubar o governo apoiado pelo Ocidente. O grupo também controla parte da capital Mogadíscio e o centro da Somália. No começo de julho, rebeldes suspenderam uma proibição à ajuda alimentar que segundo eles, criava uma dependência.

Alguns analistas acreditam que eles estão a permitir a entrada de ajuda porque temem pelo respaldo público se não o fizerem. Outros acreditam que os rebeldes querem subornos.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!