Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Final da Liga dos Campeões Europeus: Barcelona reina após derrotar Manchester United

Final da Liga dos Campeões Europeus: Barcelona  reina após derrotar Manchester United

Com uma exibição fantástica Messi e companhia derrotaram o campeão inglês, Manchester United, e conquistaram a sua quarta Liga dos Campeões Europeus de futebol.

Josep Guardiola chegou ao seu décimo título na carreira, o terceiro na Liga dos Campeões – dois como treinador e um como jogador, na temporada 1991-1992. O curioso é que o caneco na década de 90 foi levantado no mesmo estádio da Wembley, que coroou o belo futebol do clube catalão. Puyol, que começou o jogo no banco de suplentes ainda entrou no fim e recebeu a braçadeira de capitão das mãos de Xavi para levantar pela terceira vez a Champions League, a festa é azul grená!

Nos primeiros minutos, o Manchester United imprimiu uma forte marcação ao Barcelona, que não conseguia sair do campo de defesa para o ataque. A equipa catalã sentiu muita dificuldade para imprimir o ritmo de jogo que gosta, com toque e posse de bola. Messi era seguido de perto pelo sul-coreano Park, que levou vantagem sobre o rival nos primeiros lances do confronto. O Manchester teve dois momentos de perigo em lançamentos longos. No primeiro, aos sete, Van der Sar bateu na bola no campo de defesa, e Rooney levou a melhor na corrida. Valdes antecipou-se ao inglês e cortou no limite da grande área. Dois minutos depois, Chicharito quase aproveitou a indecisão de Piqué. O arqueiro salvou mais uma vez o Barcelona.

O Barça acordou a partir dos dez minutos, passou a ter maior posse de bola, a tocar no meio-campo para encontrar espaços na defesa dos Diabos Vermelhos. E foi aí que surgiu a genialidade de Messi. O argentino lançou para Villa já dentro da área. O melhor marcador do Mundial de 2010 rematou forte mas foi travado por Ferdinand. O Barcelona seguiu com o domínio e teve uma chance clara de abrir o marcador aos 15. Após boa jogada de Messi e Dani Alves, Xavi recebeu pelo lado direito e cruzou para Pedro. O espanhol antecipou-se aos defesa e deu um leve toque na bola, que passou à esquerda de Van der Sar, que já estava batido. Quatro minutos depois, David Villa recebeu na entrada da área e rematou novamente forte, mais uma vez a bola passou rente à esquerda de Van der Sar. O atacante espanhol teve mais uma chance no minuto seguinte, aos 20. O artilheiro recebeu dentro da área e bateu cruzado para outra defesa do arqueiro holandês.

Aos 24, observando o domínio do Barcelona, Alex Ferguson deixou o banco de suplentes e foi para a beira do relvado orientar os Diabos Vermelhos. Mas não adiantou. Dois minutos depois do escocês levantar-se, a equipa catalã abriu o marcador. Xavi recebeu no meio-campo, esperou a entrada de Pedro no espaço deixado por Evra e colocou o atacante na cara de Van der Sar. O espanhol só teve o trabalho de tocar na saída do holandês: 1 a 0.

Parecia que o Barcelona teria mais tranquilidade para tocar a bola e chegar a um placar mais elevado. Porém, numa tabela entre Rooney e Giggs, que recebeu adiantado em relação aos defendores rivais, o inglês recebeu já dentro da área e tocou colocado à direita de Valdes, que atirou-se a bola, mas não conseguiu evitar o empate. Festa do camisa 10, que comemorou com o conhecido carrinho no relvaado: 1 a 1.

Após o golo, o Barça voltou a ter mais posse de bola. Aos 38, Iniesta rematou do meio-campo e Van der Sar defendeu a meio da baliza. E ainda na etapa inicial, os catalães tiveram mais uma oportunidade aumentar a vantagem.

E que oportunidade. Aos 43, Messi lançou para Villa pelo lado direito da grande área. Completamente livre, o espanhol cruzou para o hermano, que se jogou na bola, mas não conseguiu tocar para o fundo das rede.

O Barcelona voltou para a segunda parte como terminou o primeiro tempo: com maior posse de bola do que o rival. Enquanto o Manchester marcava atrás de linha da bola, a equipa culé encurralava os rivais. Em dois lances, no primeiro minuto e aos três, os espanhóis tiveram a chance de finalizar na baliza de holandês Van der Sar. As finalizações foram de Iniesta e Xavi, que foram travados no momento do remate.

A equipa catalã continuou com a posse de bola, e Messi livre no meio-campo. Aos oito, percebendo a liberdade dada pelos Diabos Vermelhos, o argentino recebeu na entrada da área, deu um toque e soltou umaa bomba de pé canhoto. Mal colocado, Van der Sar atirou-se mas não conseguiu evitar o segundo golo do Barça.

A partir deste golo, o Barcelona passou a mandar no jogo, passou a tocar a bola como gosta, assustando os rivais, e os Diabos Vermelhos que pouco fizeram para tentar o empate.

Entretanto Messi teve duas chances para sacramentar o triunfo. Aos 17, o jogador recebeu na entrada da área, girou em cima de Ferdinand e chutou para defesa de Van der Sar. Aos 19, Daniel Alves recebeu um óptimo lançamento de Xavi nas costas de Evra. O brasileiro cruzou para o meio da área e Messi tentou marcar de calcanhar, mas a defesa do Manchester afastou em cima da linha do golo.

Aos 23, Messi fez o que quis pelo lado esquerdo da defesa do Manchester e cruzou para Pedro. O espanhol colocou a bola em David Villa na entrada da área que chutou colocado no canto superior direito sem hipóteses para o veterano guarda-redes holandês, que terá se despedido da Liga dos Campeões neste jogo. Golaço: 3 a 1.

Perto do final Pep Guardiola ainda tirou Daniel Alves para entrada de Puyol. O capitão durante toda a temporada recebeu a faixa de capitão das mãos de Xavi para ter o privilégio de levantar mais um caneco para o Barcelona. Festa em Londres, na Espanha e, principalmente, na Catalunha.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!