Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Festival da Marrabenta junta-se a festa do Gwaza Muthini

A VI edição do Festival Marrabenta será um dos atractivos das comemorações do Gwaza Muthini, que se assinala, este Sábado, na vila-sede do distrito de Marracuene, na província de Maputo.

Gwaza Muthini é uma cerimónia que evoca a resistência anti colonial que resultou na célebre batalha de Marracuene de 1895 que opôs os guerreiros do Império de Gaza comandados por Ngungunhane ao exército colonial português.

Segundo os promotores do evento, para além de Gwaza Muthini, o VI Festival da Marrabenta, a decorrer de 01 a 03 de Fevereiro próximo, vai escalar o Centro Cultural de Matalane, também no distrito de Marracuene, e o Centro Cultual Franco-Moçambicano, na cidade de Maputo.

Sob lema central “Integração de Gerações e Internacionalização do Festival”, a presente Edição do Festival Marrabenta tem como o convidado especial o compositor e intérprete Sam Mangwana, cuja produção artística tem como base de inspiração sons de países tão diversificados como Angola, Moçambique, Cabo Verde e Congo.

Sam Mangwana, artista que se popularizou entre os moçambicanos na década 80/90 com os temas Marrabenta – Vamos para o campo (Marracuene) e Tio António, vai actuar no festival juntamente com os músicos nacionais Neyma, Cheny Wa Gune, Dilon Djindji, Childo Tomas, Roberto Chitsonzo, Alberto Mula (Manjacaziano) e Xidimingwana.

Actuarão igualmente no Festival a Orquestra Djambu, Makwaela dos TPM e Rádio Marrabenta. Nascido em Kinshasa (República Democrática do Congo) de pais angolanos, Sam Mangwana é considerado um dos principais cantores e inovadores de rumba congolesa, uma forma musical que tem dançarinos animados e ouvintes da mesma forma em todo o continente Africano.

Vulgarmente conhecida como Soukous, rumba congolesa combina hipbalançando rítmos com guitarras e vocais líricos para criar uma música cujo impacto continua atrair a atenção de pessoas de várias gerações.

Por questões de agenda, o artista congolês é esperado na capital moçambicana no próprio dia do arranque do Festival, 01 de Fevereiro.

Associado ao programa do Festival, estão programados alguns concertos (da Marrabenta) a terem lugar de 19 a 31 de Janeiro corrente, em diferentes centros culturais da cidade de Maputo e arredores.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!