Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Ferroviário de Pemba pode abdicar do Moçambola

Ferroviário de Pemba pode abdicar do Moçambola

O avançado estado de degradação do Campo Municipal de Pemba pode condicionar a participação do Ferroviário local na maior prova do futebol nacional, o Moçambola, edição 2012. Quem assim o diz é o seu presidente, Ório Benzane, que considera que aquele campo não reúne condições para acolher jogos do campeonato nacional, daí que prefere abdicar do Moçambola a ter de jogar em Nampula, em casa emprestada.

O avançado estado de degradação do Campo Municipal de Pemba pode condicionar a participação do Ferroviário local na maior prova do futebol nacional, o Moçambola, edição 2012. Quem assim o diz é o seu presidente, Ório Benzane, que considera que aquele campo não reúne condições para acolher jogos do campeonato nacional, daí que prefere abdicar do Moçambola a ter de jogar em Nampula, em casa emprestada.

Segundo Benzane, este assunto é do conhecimento do Conselho Municipal, proprietário do campo, governo provincial e da Direcção Provincial da Juventude e Desportos, que, recentemente, se reuniram com o Ferroviário de Pemba para em conjunto encontrarem uma solução para o problema.

O campo foi reabilitado no primeiro semestre de 2010, ano em que o Ferroviário de Pemba fez a sua última aparição na maior prova do futebol nacional, o que permitiu que o clube jogasse a segunda volta do Moçambola no seu terreno.

Mas com o andar do tempo foram detectados problemas técnicos, tendo sido notificado o empreiteiro para proceder à reparação, mas debalde. Até hoje ainda não se fez ao local. A situação piorou quando o campo acolheu jogos do campeonato provincial.

À referida reunião, o Conselho Municipal levou um especialista em relva sintética que se predispôs a colocá-la a tempo de o representante de Cabo Delgado fazer os jogos do Moçambola em casa, bastava que as partes (município, Direcção da Juventude e Desportos e Ferroviário de Pemba) demonstrassem interesse. Esta seria a melhor opção, tendo em conta a crise de água com que a cidade de Pemba se debate.

O especialista mandou a cotação no dia 25 de Novembro e está à espera de uma luz verde para começar os trabalhos.

Caso o campo não seja reabilitado, o clube será obrigado a disputar os jogos do Moçambola em Nampula, que dista 400 quilómetros, o que, na opinião do seu presidente, contribui para a má prestação da equipa, para além de ser insustentável financeiramente. “Te(re)mos de treinar dois dias, os restantes são para a viagem. Isso contribuiu negativamente para a nossa despromoção no ano passado”.

“Forçaram-nos a inscrevermo-nos no Moçambola”

Quando o Ferroviário de Pemba ascendeu ao Moçambola, Ório Benzane diz ter informado o governo provincial e a Associação Provincial de Futebol de Cabo Delgado da decisão que o clube tinha tomado: não participar no Moçambola 2012 caso a situação do campo não fosse resolvida. Mas estes comprometeram-se a criar condições ainda este ano, assim que o campeonato nacional terminasse. Foi por isso que o clube só se inscreveu no último dia.

“Eu pessoalmente não queria por conhecer/temer as consequências (de jogar em casa emprestada), mas aqui (no clube) recorremos à votação para que uma decisão seja legitimada. É necessário que os amantes do desporto unam esforços para que possamos ter um campo com condições, e isso é possível. A província está de olho em nós e não podemos ir ao Moçambola só para passear a nossa classe”.

Devido à sua grandeza, o clube pretende, a longo prazo, erguer um estádio e já tinha identifi cado um espaço para tal, no bairro Wimbe Expansão, mas por causa da demora verifi cada na atribuição do título de propriedade por parte do município e dos obstáculos criados por este, o mesmo acabou por ser ocupado por outras pessoas. “O município queria 1 600 000 meticais para a legalização do espaço. Isso é um absurdo, o estádio é para todos e não somente para o clube.

O município devia ser o primeiro interessado. Neste momento há um pedido que foi submetido à edilidade, assim que for aceite talvez possamos começar as obras ou pelo menos compactar o espaço e colocar balizas e vedação para que possamos treinar”, afirma o presidente.

Clube vai dispensar metade do plantel

O actual plantel do clube é composto por 30 atletas mas o presidente diz que pretende ter uma equipa de 24 jogadores e, para tal, irá dispensar metade e fazer novas contratações.

A futura equipa dever estar à altura de ombrear em pé de igualdade com os principais clubes que militam no Moçambola e não lutar só pela manutenção, como tem acontecido nos últimos anos.

Em relação à equipa técnica, esta será mantida, sendo que Zainadine Mulungo, técnico que levou o clube à maior prova futebolística, acaba de renovar o contrato por uma época. Agora está-se à procura de um treinador-adjunto visto que o actual não possui formação para tal.

O principal constrangimento, para além do campo, é o espaço para a realização de treinos. Actualmente, a equipa treina num campo cedido pelo Comando Militar de Cabo Delgado, localizado no centro da cidade.

Refira-se que o clube Ferroviário de Pemba ascendeu ao Moçambola após ter disputado e vencido a poule de apuramento da zona norte, tendo deixado para trás os seus adversários, nomeadamente o Ferroviário de Nacala, Desportivo de Nacala, ambos de Nampula, e Águias do Planalto, de Niassa.

A primeira vez que fez parte dos 14 maiores clubes do país foi em 2004, tendo sido despromovido na mesma época. Esta será a sua quarta aparição, depois de o ter feito em 2008 e 2010.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!