Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

https://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.html
Publicidade

Fazer do lixo fonte de auto-emprego e de renda familiar

A Ministra para Coordenação para Acção Ambiental, Alcinda António de Abreu, encoraja a população moçambicana a transformar o lixo numa fonte de geração de rendimento e de emprego, contribuindo, consequentemente, na melhoria do sistema de saneamento, sobretudo nos centros urbanos.

A governante moçambicana fez este apelo na abertura da IV Edição da Feira Nacional do Ambiente, evento que, durante três dias, reúne, na cidade de Nampula 34 expositores idos de todas as províncias do país.

Sob o lema “ Reaproveitamento Energético, Reutilização e Reciclagem de Resíduos, Um Meio de Combate à Pobreza Urbana“, a feira pretende sensibilizar à sociedade sobre as diferentes formas da gestão do lixo para o desenvolvimento social e económico do país, no quadro da agenda nacional contra a pobreza urbana .

Na ocasião, a ministra constatou haver empresas e entidades singulares que se dedicam no reaproveitamento do lixo, como seja a reciclagem do plástico usado que, no seu entender, tem constituído uma grande preocupação no campo de saneamento do meio, reutilização e comercialização de resíduos de garrafas de vidro, para outros fins.

Entre vários exemplos, a ministra destacou uma empresa baseada na cidade portuária de Nacala que reaproveita, mensalmente, cerca de 80 mil garrafas usadas, na sua maioria recolhidas na cidade de Maputo, representando cerca de 70 por cento, incluindo as cidades de Pemba, Quelimane e Nampula, onde o negócio sustenta centenas de familiares.

Outro exemplo referenciado pela governante tem a ver com o sistema de compostagem do lixo urbano na cidade da Beira, em Sofala, iniciativa de uma empresa privada denominada Terra Nova, Lda.

Estes exemplos são parte integrante de um conjunto de realidades concretas e de outras tantas espalhadas por toda a geografia nacional que comprovam o compromisso ambiental cada vez mais crescente da sociedade moçambicana, disse, sublinhando que o facto reflecte um sentido de empreendedorismo e cultura de trabalho para o sucesso da missão conjunta de erradicar a pobreza no país.

Alcinda Abreu revelou, ainda, que, no quadro do Programa Nacional de Educação, Comunicação e Divulgação Ambiental para o período 2009/2025, o governo vai promover uma série de palestras para a consolidação da cultura ambiental sustentável no seio das comunidades .

Refira-se que, paralelamente a esta edição, o Ministério para Coordenação Ambiental, em parceria com o Fundo do Ambiente (FUNAB), vai lançar, este fim de semana, o projecto de educação ambiental em 15 escolas das províncias de Niassa, Nampula e Cabo-Delgado.

E, num futuro breve, o projecto irá envolver um total de 45 escolas da região norte no plantio de arvores, distribuição de recipientes para o depósito do lixo , para além de palestras

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!