Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Fazem-se de passageiros para depois saquearem os taxistas

De facto o mundo perdeu moral em tudo. Hoje, é possível ver-se alguém a ser assaltado na rua sem que ninguém o socorra. os que vê começam a rir para depois perguntarem “o que aconteceu”.

Todos os dias quando vamos aos mercados, assistimos aos amigos, colegas e conhecidos a serem roubados por pessoas. Mas não fazemos nada.

Em Quelimane, nos últimos tempos virou moda pessoas pedirem ser transportadas nos táxis de bicicletas para um local, mas quando chegam ao destino, ou mesmo antes de lá chegarem, mandam parar os ciclistas para saquearem o pouco dinheiro que conseguem e por vezes até levam a bicicleta.

Não são poucos casos, até os fazedores de táxi já negam entrar nos bairros. No último final de semana, umas pessoas desonestas encontraram dois jovens fazedores de taxi, pediram que lhes transportasse até a zona do Brandão.

Eram quase 18horas, os assaltantes aproveitam o facto de nos últimos dias escurecer cedo. Os dois indivíduos empoleirados naquelas bagageiras de táxi iam sendo acompanhados como clientes normais e conforme o seu pedido.

Chegados a um local, pediram para parar e compraram óleo de cozinha. Os taxistas aceitaram o pedido e assim aconteceu a compra. De seguida a marcha foi retomada. Só que esta marcha foi interrompida de repente. Um dos taxistas viu o seu passageiro pedir-lhe dinheiro.

Quando o taxista questionou os porquês, a resposta foi imediata por parte do passageiro assassino, mostrando-lhe uma arma branca, neste caso uma faca.

O outro taxista também passou pelas mesmas situações. Como não tinham defesa de ninguém, os dois taxistas foram despojados dos seus parcos recursos que conseguiram ao longo daquele dia e também as suas bicicletas.

Este não é o primeiro caso na cidade de Quelimane, dai que os fazedores de taxi reclamam mas não vê quem lhes pode dar a mão. Gente de má fé aproveita-se da fragilidade dos outros para tirar-lhes o pouco que conseguem dia e noite, na chuva e no sol, por baixo de calor e frio.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!