Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

https://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.html
Publicidade

Faltam políticas para responder aos desafios do assentamento informal em Moçambique

A redução do elevado número de assentamentos informais em Moçambique carece de uma legislação capaz de definir e regular as estratégias que respondam aos desafios impostos pela explosão demográfica resultante dos elevados índices do êxodo rural e evitar a exclusão social, defendeu, esta terça-feira (22), em Maputo, o docente universitário e ambientalista, Carlos Serra.

Carlos Serra, que dissertava sobre “a problemática dos assentamentos informais nas cidades moçambicanas e o desafio da consagração do direito fundamental à cidade”, disse que grande parte da população urbana reside em assentamentos humanos informais, ou seja, subúrbios, porque a construção é feita de forma desordenada e sem obedecer os critérios da urbanização.

Segundo ele, esta realidade testemunha a violação de um dos direitos das pessoas, o de acesso à cidade, porque encontram no seu quotidiano dificuldades para aceder aos serviços sociais e básicos, facto que torna a cidade num lugar insustentável para as entidades locais e para os moradores.

Esta situação, de acordo com Serra, traz problemas tais como a desigualdade e exclusão social de acordo com a cor, raça, idade e etnia, devido à fraca resposta da edilidade para prover serviços e espaço a todos os moradores.

Para colmatar este problema não basta somente criar políticas. É necessário que elas sejam funcionais, correctas, concretas e sustentáveis, bem como a construção de um modelo de urbanização nacional, a regulação da ocupação do espaço, através do respeito do direito de acesso à terra, disse Serra.

O ambientalista indicou ainda que as autoridades responsáveis pela gestão das cidades, devem ser capazes de desenvolver acções e criar condições capazes de minorar as necessidades dos moradores, através da redução dos índices da pobreza urbana.

De referir que estas inquietações foram levantadas num seminário sob o lema “a interacção entre os Direitos Constitucionais e Privados”, realizado pela Faculdade de Direito da Universidade Eduardo Mondlane (UEM).

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!