Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Falece Almeida Santos, presidente honorário do Partido Socialista

António de Almeida Santos, presidente honorário do Partido Socialista português (PS), faleceu na noite desta segunda-feira(18) repentinamente aos 89 anos de idade, segundo informaram fontes do partido. Jurista, ministro em vários Governos e legislador Almeida Santos começou a sua actividade política em Moçambique, ainda durante o período da ditadura em Portugal, onde integrou o Grupo de Democratas, que se opunha à colonização.

A morte de Almeida Santos foi divulgada durante a madrugada desta terça-feira e gerou uma corrente de reacções entre os principais líderes do PS, que prestaram homenagem à sua figura.

O presidente honorário dos socialistas -actualmente no governo- tinha participado recentemente na campanha eleitoral para as presidenciais deste domingo, 24, como simpatizante da candidata Maria de Belém, e chegou a participar nos seus comícios.

António de Almeida Santos nasceu a 15 de Fevereiro de 1926 no município de Cabeça, ao nordeste do país, e formou-se em Direito pela Universidade de Coimbra.

Durante perto de duas décadas viveu em Moçambique e regressou a solo luso depois da Revolução dos Cravos que pôs fim à ditadura (1974).

Integrou o Grupo de Democratas de Moçambique, que se opunha à colonização e concorreu por duas vezes à Assembleia Nacional, mas viu sempre a sua candidatura ser anulada pelo regime.

Almeida Santos desempenhou um papel importante nos primeiros governos pós-ditadura e prévios à redação da Constituição, quando ocupou o cargo de ministro de Coordenação Interterritorial e de Comunicação.

Também foi titular de diferentes pastas em três Executivos constitucionais: responsável de Justiça, adjunto do primeiro-ministro e de Assuntos Parlamentares.

Ocupou um assento no Conselho de Estado entre 1985 e 2002, exerceu de líder parlamentar da bancada socialista entre 1991 e 1994 e também foi eleito presidente do parlamento português em duas legislaturas.

Embora o seu delicado estado de saúde -tinha sido submetido a cirurgias cardiovasculares em duas ocasiões-, teve a sua última intervenção pública há apenas dois dias, no domingo, quando falou perante os meios de comunicação.

As demonstrações de luto pelo seu falecimento sucederam-se durante as últimas horas, entre elas a de Mário Soares, fundador do PS e antigo chefe do Estado português.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!