Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

FADM criam equipa de futebol

Uma nova colectividade pertencente às Forças Armadas de Defesa Moçambique (FADM) vai lutar, na presente temporada, para ascender ao Moçambola, edição 2015. Trata-se do Clube de Desportos Sargentos de Boane, da província de Maputo.

Há quem diga que não se trata, necessariamente, de uma nova colectividade. Que a mesma já disputava torneios entre os militares. Todavia não deixa de ser verdade que se vai estrear na segunda divisão futebolística do país, com vista o apuramento ao Moçambola.

Trata-se do Clube de Desportos Sargentos de Boane, pertencente à Escola de Formação de Sargentos das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM), no distrito com o mesmo, província de Maputo.

O clube, que pelo ou menos dispõe de um campo de futebol e uma infra-estrutura própria para albergar os seus jogadores e os respectivos estágios, curiosamente a mesma que era utilizada pelo Matchedje de Maputo na Escola de Sargentos de Boane, inscreveu-se na Associação de Futebol da Província de Maputo (AFPM) de modo a disputar o “provincial” que vai arrancar já no próximo mês de Fevereiro.

“Está a ser seguida toda a burocracia necessária para tramitar o processo de inscrição dos ‘Sargentos’. Mas é um facto que vai competir e estamos felizes porque, tratando-se de um novo clube, haverá maior competitividade no campeonato”, revelou Vasco Manguele, secretário-geral da AFPM.

“Isto é produto do divisionismo no seio do Matchedje”

Uma fonte anónima, mas que pertenceu, no passado, a direcção do Clube de Desportos Matchedje de Maputo, disse ao @Verdade que o surgimento do “Sargentos de Boane” se deve ao descontentamento de alguns militares, sobretudo daquela escola militar, pela forma como foi e está a ser gerido o Matchedje, despromovido do escalão principal do futebol moçambicano na temporada finda.

“O clube está entregue. Veja a campanha que fez no ano passado e o número de treinadores que contratou mas sem sucesso. Foi por isso que nós decidimos criar este emblema para mostrar que os militares são uma potência do futebol moçambicano. Queremos recuperar a nossa mística”, disse.

Contudo, uma fonte da direcção do Matchedje distanciou-se da polémica questionando, portanto, a existência de uma lei que proíba a criação de mais de um clube por uma determinada entidade. “Os militares são tradicionalmente desportistas, assim como os Caminhos de Ferro de Moçambique e a Autoridade Tributária. Até onde sei, só no Moçambola deste ano teremos cinco Ferroviários, sem contar com as dezenas que andam por ai nos ‘provinciais’. Vocês não questionam porquê?”, completou.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!