Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

EUA perguntam-se o que Martin Luther King Jr. faria pelos direitos civis em 2014

As suposições sobre o que o reverendo Martin Luther King Jr. faria para promover os direitos civis em 2014, se não tivesse sido assassinato décadas atrás, marcaram discursos e celebrações realizados por todo os Estados Unidos para homenagear a sua memória, esta segunda-feira (20).

Lembrando o famoso discurso “Eu tenho um sonho”, de King, o prefeito de Atlanta, Kasim Reed, disse que o falecido líder da defesa dos direitos civis gostaria que os estudantes entendessem isso como um chamado para permanecerem na escola e tornarem-se educados para melhorar o mundo.

“Nós temos de mudar o plano de aula para um plano de sonho”, declarou Reed a uma multidão reunida na Igreja Batista Ebenezer para o feriado federal do Dia de Martin Luther King Jr. Ele disse que King iria querer que as crianças ouvissem: “Vocês não vão à escola só para estudarem matemática, vocês vão à escola para serem alguém.”

Na cidade de Nova York, o prefeito recém-eleito Bill de Blasio, que assumiu o cargo prometendo mais oportunidades para os moradores mais pobres, disse durante um tributo: “Dr. King nos diria que não podemos esperar” para trazer igualdade de renda aos nova-iorquinos. De Blasio prometeu que o seu governo iria começar imediatamente “o trabalho de mudar esta cidade”.

Na lotada igreja de Atlanta, perto do Martin Luther King Center, que promove a sua filosofia de não-violência, Berenice, filha de King, foi aplaudida ao fazer um apelo para que a mensagem dele seja honrada transformando a segunda-feira num dia “sem disparo de armas” – em razão dos episódios recentes de tiroteios e outros tipos de violência com armas por todo o país.

Um evento comemorativo foi um programa de recompra de armas organizado pela unidade de Atlanta da Associação Nacional para o Progresso das Pessoas de Cor, na esperança de retirar 1.000 armas de fogo das ruas da cidade. King, que 50 anos atrás recebeu o Prémio Nobel da Paz, foi assassinado em Memphis, no Estado do Tennessee, em 1968.

Ele nasceu a 15 de Janeiro de 1929 e o feriado para celebrar o seu aniversário foi criado em meados dos anos 1980. Muitos norte-americanos comemoram o feriado como voluntários em projectos de ajuda e outros eventos beneficentes.

Pela primeira vez, o Museu Nacional dos Direitos Civis, em Memphis, que abrange o Lorraine Motel, onde King foi morto, transmitiu publicamente a gravação de uma entrevista com ele em 1960 discutindo o movimento dos direitos civis. O mágico David Copperfield doou a fita para o museu em 2012.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!