Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Atrasada pelo menos um ano reabilitação da estrada Nampula/Cuamba

O projecto de reabilitação e asfaltagem da estrada que liga a cidade de Nampula a cidade de Cuamba, na vizinha província do Niassa, deverá terminar em Novembro do próximo ano. As obras tiveram o início em princípio de Setembro de 2011 e deveriam terminar a 31 de Agosto de 2014, foram adiadas para Novembro de 2015, devido à falta de material e fundos.

O governo da província de Nampula, através da Direcção de Obras Públicas e Habitação, reconhece a demora na execução da empreitada, mas justifica que tal se deve a factores de ordem financeira. Pedrito Rocha, director das Obras Públicas e Habitação, diz estar preocupado com lentidão na mobilização dos equipamentos, para além dos sistemáticos atrasos salariais para o pessoal da obra.

O @Verdade percorreu, na semana finda, o troço de mais de 50 quilómetros de extensão, entre Nampula e vila de Namina, no distrito de Mecuburi, para medir o pulsar das obras, tendo constatado que as mesmas estão ainda longe do término, embora o empreiteiro esteja a redobrar esforços nesse sentido.

Informações que nos chegam de Mutuali, mas concretamente no lote três, dão conta de que as obras de reabilitação e asfaltagem da estrada que liga aquele posto administrativo do distrito de Malema ao município de Cuamba estão, igualmente, atrasadas.

Apesar destes constrangimentos, Rocha enaltece o trabalho até aqui desenvolvido pelos empreiteiros, uma vez que a via permite a circulação de viaturas e peões e acredita que até ao mês de Novembro de 2015 as obras estarão concluídas.

A estrada Nampula/Cuamba é considerada “espinha dorsal” para o desenvolvimento socioeconómico da região norte, em geral, e das províncias de Nampula e Niassa, em particular. A cerimónia de lançamento do projecto de reabilitação e asfaltagem daquela estrada, importa referir, teve lugar na sede do distrito de Nampula/Rapale, sob orientação do então Primeiro-Ministro da República de Moçambique, Aires Bonifácio Ali.

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!