Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Equipes buscam 40 pessoas em escombros de fábrica que desmoronou no Paquistão

As autoridades do Paquistão tentam resgatar cerca de 40 pessoas que se acredita que permanecem sob os escombros de uma fábrica que desmoronou na quarta-feira perto da cidade de Lahore, no leste do país, um acidente que deixou pelo menos 25 mortos e 105 feridos.

“Os trabalhos de resgate estão em andamento, embora as esperanças estejam desvanecendo, já que não escutamos nenhum grito de pedido de ajuda como ocorria na noite de ontem”, disse nesta quinta-feira à Agência Efe um porta-voz do Serviço de Resgate de Lahore, Jam Sajjad, que indicou, apesar disso, “que é possível haver pessoas vivas, mas inconscientes”.

O edifício de três andares, no qual estavam a ser realizados trabalhos de reparação após o terremoto que atingiu o país há duas semanas, acabou desmoronando na quarta-feira, em uma zona industrial que fica a cerca de 30 quilómetros do centro de Lahore.

Após trabalhar a noite toda, as equipes de emergência conseguiram ter acesso ao térreo da fábrica. Entre os escombros, encontraram 25 pessoas mortas e 105 feridos, 29 deles em estado crítico. Eles foram levados aos hospitais da região e alguns já receberam alta.

Cerca de 400 membros do Exército, dos serviços de emergência e a ONG Fundação Edhi do Paquistão participam dos trabalhos de resgate, explicou Sajjad.

“Pedimos maquinaria pesada na noite passada, mas não usamos tudo porque havia esperanças de haver trabalhadores vivos sob os escombros e poderiam morrer por causa delas”, disse o porta-voz.

O terremoto de magnitude 7,5 graus ocorrido no último dia 26 de Outubro com epicentro no Afeganistão deixou no vizinho Paquistão pelo menos 275 mortos, mais de 1.800 feridos e dezenas de milhares de edifícios destruídos ou danificados. Os desmoronamentos são relativamente frequentes no país, devido ao mal estado das construções, as explosões de botijas de gás e aos efeitos das fortes chuvas.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!