Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Xiconhoquices da semana: Envenenamento em Chitima , Crise de água em Maputo, Aumento da taxa de lixo em Maputo

Xiconhoquices da semana: Novo Regulamento de Transporte em Veículos Automóveis; Passaporte falso de Nini sem falsificadores; Campanha eleitoral da Frelimo

Os nossos leitores elegeram as seguintes xiconhoquices na semana finda:

Envenenamento em Chitima

O país e o mundo receberam com grande desolação a notícia sobre a morte em massa, no distrito de Cahora Bassa, em Tete, em consequência do consumo de uma bebida alcoólica de fabrico caseiro, conhecida localmente por phombe, durante uma cerimónia que a 09 Janeiro em curso, em Chitima. Este trágico e sórdido acontecimento vai constar nos anais da história de Moçambique, sendo difícil perceber por que motivo alguém planeou intoxicar e matar deliberadamente tanta gente que participava numa cerimónia fúnebre. A Procuradoria-Geral da República (PGR), a Polícia de Investigação Criminal (PIC) e outras instituições a quem interessa este assunto devem trabalhar para deter e castigar o mentor deste crime.

Crise de água em Maputo

Os moradores de alguns bairros da cidade de Maputo, sobretudo os da Costa do Sol, do Xipamanine, do Alto-Maé, da Urbanização, do Aeroporto e de Mavalane, estão a enfrentar um calvário devido a restrições no acesso à água fornecida pela empresa Águas da Região de Maputo. A situação afecta também os residentes da Matola e de Boane. Obter o precioso líquido para consumo e outras actividades nos centros urbanos do território moçambicano foi sempre um quebra-cabeças. Imagine-se o sofrimento por que passa a população da zona rural. O ridículo é ouvir a empresa Águas da Região de Maputo alegar que o problema se deve à chuva, como se a precipitação tivesse começado há pouco tempo. Esta só pode ser uma desculpa de gestores incompetentes e leigos! Afinal, porque não deixam vagos os lugares que ocupam?

Aumento da taxa de lixo em Maputo

Para além daqueles munícipes que desembolsam dinheiro sem se beneficiarem dos serviços de recolha de resíduos sólidos na capital moçambicana, por diversas razões, existem os que se queixam recorrentemente da ineficiência das autoridades em relação à prestação destes serviços. Para piorar esta situação, o Concelho Municipal de Maputo agravou a taxa de lixo com efeitos a partir de 01 de Janeiro em curso mas só informou aos seus munícipes a 08 do mesmo mês, através de um comunicado de imprensa que tinha sido produzido no dia 06. A edilidade afirma que o aumento em causa visa assegurar a sustentabilidade financeira do Sistema de Gestão de Resíduos Sólidos, melhorar os serviços de limpeza e a cobertura dos serviços de recolha a mais bairros da urbe. Mas que falta de respeito é esta, senhor David Simango?

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

error: Content is protected !!