Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Ensino com fraca adesão

O sector de educação no distrito de Mogincual, confronta-se com dificuldades para o cumprimento das metas de inscrição de alunos no sistema público de ensino. Este fenómeno tem-se acentuado nos últimos três anos e torna-se preocupante pelo facto das autoridades governamentais locais não encontrarem antídotos para sua inversão.

Segundo Cipriano Albino, director dos serviços distritais de Educação, Juventude e Tecnologia em Mogincual, cerca de seis mil vagas planificadas anualmente ficam por preencher.

O fenómeno agrava-se nos últimos três anos lectivos a esta parte nos níveis primário e secundário do primeiro e segundo graus. A fonte anotou que, no presente ano lectivo, o distrito matriculou 29.398 alunos da primeira à décima segunda classes, o que equivale a 84,21 por cento em relação à taxa de inscrições planificada.

E precisou que a desinformação e o nomadismo são as principais causas da fraca taxa de escolarização em Mogincual. Quando se aproxima o período das matriculas, o fenómeno da desinformação aparece em volta da alegada introdução da cólera nas fontes de abastecimento de água por supostos técnicos da saúde e esta situação agita as comunidades que acabam por se transferirem na companhia de seus filhos ou educandos para outros pontos do distrito – disse Cipriano Albino.

Em relação ao nomadismo, ele tem como fundamento a alegada procura de terras aráveis para práticas agrícolas e pastagem do gado.

As comunidades de Mogincual têm dificuldades para adoptar os novos pacotes tecnológicos agrários, parte dos quais aconselha a rotação de culturas e uso de vegetação para adubar os solos, sujeitando-se, consequentemente, a um penoso processo de abertura de novos campos para a agricultura-ajuntou o entrevistado.

O sector de educação em Mogincual não tem mãos a medir, mas as suas acções de sensibilização aos pais e/ou encarregados de educação para matricular os seus educandos não têm surtido os efeitos desejados. E essa realidade é notória na rua e nos mercados onde o efectivo de vendedores é dominado por menores em idade escolarizavel.

Num outro desenvolvimento, Cipriano Albino referiu que os casos de gravidez precoce têm estado a crescer, e, em consequência, treze raparigas deixado de estudar no primeiro trimestre do ano lectivo escolar em curso, por terem engravidado.

Aventa-se que aquele número deverá crescer nos próximos dias porque, segundo a fonte, as raparigas usam todas artimanhas para esconder que se encontram grávidas, sendo apenas descobertas quando estão prestes a dar parto ou quando se regista alguma complicação do seu estado de saúde.

No entanto, o sector de educação em Mogincual promete continuar a desenvolver esforços no sentido de melhorar a qualidade das infraestruturas escolares através da construção de estabelecimentos à base de material convencional e devidamente apetrechadas de mobiliário, concretamente carteiras e quadros para os alunos e docentes.

O distrito possui, neste momento 84 escolas, sendo duas para o ensino secundário geral e as restantes do básico que são leccionados por 464 docentes cerca de metade da necessidade do distrito o que obriga a muitos a horas extraordinárias e terceiro turno. E, ainda este ano, serão construídas trinta salas de aulas que deverão estar disponíveis no próximo ano lectivo escolar.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!