Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Empresas públicas lesadas em 928 milhões de meticais

As empresas Caminhos de Ferro de Moçambique (CFM), Electricidade de Moçambique (EDM), Telecomunicações de Moçambique (TDM) e Aeroportos de Moçambique (ADM), acumularam prejuízos avaliados em cerca de 928 milhões de meticais como resultado de furtos e destruição de bens pertencentes a estas empresas.

Falando ontem na Assembleia da República, na habitual apresentação do informe anual, o Procurador Geral da República, Augusto Raúl Paulino, disse que ao longo do ano passado, a empresa Electricidade de Moçambique, registou furtos de energia e actos de destruição de infra-estruturas eléctricas da rede nacional que resultaram em prejuízos estimados em cerca de 19.5 milhões de meticais.

Estes actos tiveram lugar nas cidades de Lichinga, província de Niassa; Pemba, Cabo Delgado; Angoche, Nampula e Nacala, na província de Nampula; Quelimane e Mocuba, na Zambézia, Tete, na província com mesmo nome; Chimoio, em Manica; Xai-Xai e Chókwè, em Gaza; e Maputo e Matola. “Estes prejuízos consistiram no roubo de cabos de cobre, fibra óptica, painéis solares e na sequência destes actos, foram instaurados 16 processos-crime que correm os seus trâmites legais”, disse.

Quanto à empresa Telecomunicações de Moçambique, o magistrado, disse que registaram, no período em referência, cortes de fibra óptica em alguns troços, na sequência de actos de sabotagem, queimadas descontroladas, furto de cabos de cobre dos traçados aéreos e subterrâneos e de painéis solares que resultaram em prejuízos avaliados em cerca de 7.8 milhões de meticais.

Estas ocorrências tiveram lugar nas províncias de Nampula, Zambézia, Manica, Sofala, Inhambane, Maputo e cidade de Maputo, o que culminou com a instauração de 111 processos crimes. Ainda de acordo com o Procuradorgeral, a empresa Caminhos de Ferro de Moçambique, registou, casos de furtos e destruição de materiais nas províncias de Nampula, Gaza e Maputo, com prejuízos avaliados em 100.976,39 meticais, tendo instaurados 11 processos-crime que presentemente estão em andamento nos diversos tribunais.

Por seu turno, a empresa Aeroportos de Moçambique, registou durante o ano passado, prejuízos resultantes de furto de painéis solares, transformadores de candeeiros, cabos de cobre de iluminação pública, quadros eléctricos, inclusive, sabotagem nos aeroportos, que resultaram em prejuízos na ordem dos 794.850 meticais.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!