Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Empresários de Nampula criticam o funcionamento da Janela Única Electrónica

A Associação das Confederações Económicas de Moçambique (CTA) e a Mozambican Community Network (Mcnet) promoveram, esta segunda-feira (04), em Nampula, Norte de Moçambique, um seminário de auscultação sobre a implementação da Janela Única Electrónica (JUE), uma plataforma criada para o desalfandegamento de mercadorias e bens via online no sentido de facilitar esse processo.

Entretanto, alguns agentes económicos desta região do país deixaram ficar duras críticas sobre o funcionamento da JUE. Segundo defenderam, os objectivos para os quais foi criada estão muito longe de serem alcançados devido a inúmeras dificuldades na sua implementação. A deficiência do sistema de comunicação através da internet na região Norte do país, por exemplo, é um dos obstáculos apontados.

Horácio Matiteu, presidente da Associação dos Artesãos de Nampula, disse que na exportação das obras artístico-culturais para o exterior há morosidade na emissão dos despachos. Fica-se muito tempo com a mercadoria no Aeroporto à espera da assinatura da documentação necessária. Este entrave pode minar o ambiente de negócios no país.

Albino Imede, despachante aduaneiro, afirmou que a JUE introduziu uma série de modalidades nos pagamentos por via dos bancos, mas isso está a trazer problemas na sua instituição. De acordo com ele, alguns bancos têm um horário de trabalho que termina às 15 horas e 30 minutos e as autoridades alfandegárias encerram as portas às 17 horas. Por isso, um cliente que trata a sua documentação às 16 horas e 30 minutos não pode efectuar o pagamento porque os bancos ficam fechados.

Os nossos interlocutores afirmaram ainda que desde a entrada em funcionamento da JUE em Nampula, as alfândegas autorizam a entrada de determinadas mercadorias, mas volvido algum tempo o despachante aduaneiro é surpreendido com uma guia de correcção e o cliente não aceita fazer novos pagamentos, o que cria perdas para o despachante. Estes e outros problemas, na óptica dos comerciantes, tornam o ambiente de negócios não saudável e no fim o consumidor é que fica prejudicado na altura de fixação de preços. Não é por a caso que numa semana o valor de venda de um certo produto é um e na semana seguinte é outro. Isso deve-se às dificuldades enfrentadas pelos agentes económicos no desalfandegamento das mercadorias nos portos, aeroportos, fronteiras, dentre outros locais.

Entretanto, o presidente da CTA, Rogério Manuel, desvalorizou as queixas dos agentes económicos e ainda considerou o encontro de positivo. Alegou que há muita gente que não percebe como é que a JUE funciona por se tratar de um sistema novo no país. Todavia, os obstáculos de que se queixam os comerciantes serão ultrapassados ao longo do tempo.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!