Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Empresárias clamam por mais negócios

Mulheres empresárias congregadas em diferentes associações da cidade e província do Maputo, Sul de Moçambique, pediram à Primeira-Dama da República, Maria da Luz Guebuza, mais oportunidades para desenvolverem as suas actividades que ainda são marcadas por inúmeras dificuldades, de entre as quais o acesso limitado ao crédito bancário.

As empresárias apresentaram as suas preocupações num encontro havido com a esposa do Chefe do Estado, no âmbito da sua visita de trabalho à cidade do Maputo, cujo objectivo é avaliar o grau de execução das recomendações por si deixadas no ano passado. As empresárias queixam-se de enfrentar dificuldades para aceder a créditos financeiros, da falta de formação, de assistência técnica, altas taxas aduaneiras e da falta de incentivos fiscais.

Segundo a Presidente da Associação de Mulheres Empreendedoras de Moçambique (FEMME), Letícia Klemens, apesar destas e outras dificuldades, as mulheres têm estado a demonstrar vontade de trabalhar e de combater a pobreza. “Elas já provaram que são capazes, o que falta são oportunidades”, disse Ela, citada pelo jornal “Noticias”.

No encontro com a Primeira-Dama, organizado pela FEME, estiveram presentes dez associações de mulheres empreendedoras da província e cidade do Maputo, nomeadamente a Associação das Importadoras do Zimpeto; Activa; Associação dos Cabeleireiros do Maputo; das Costureiras do Maputo; de Mukeristas; das Empreendedoras da Matola; Associação MAMI; Associação Ntamu; Associação AMEM; do Mercado Central e a FEMME.

A representante das costureiras lamentou o facto de a mulher moçambicana continuar a ignorar a sua mão-de-obra, vestindo roupa estrangeira. Ela acrescentou que Moçambique tem costureiras com qualidade e que praticam preços acessíveis. “O nosso desafio neste momento é de aumentar a nossa produção e encontrarmos mecanismos de exportar a nossa produção contendo o selo Made In Mozambique”, afirmou. Por seu turno, as empreendedoras da Matola, que trabalham de mãos dadas com o Município local, queixaram-se da falta de formação e de acesso ao crédito. Face a estas preocupações levantadas pelas empreendedoras, Maria da Luz Guebuza disse que o seu gabinete vai procurar, na medida do possível, junto dos seus parceiros, apoiar aquelas organizações que ainda apresentam muitas dificuldades.

A primeira-dama incentivou as senhoras a cultivarem o espírito de ajuda e de solidariedade. “Temos de saber encarar as nossas dificuldades e termos fé que é possível vence-las”, disse a Primeira-Dama. Antes deste encontro, Maria da Luz reuniu com mulheres de diferentes agremiações religiosas, onde a tónica da conversa foi a necessidade de promoção de um ambiente harmonioso, de apoio às crianças e idosos desamparados e outros grupos que eventualmente necessitem de ajuda.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!