Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Embaixada de Angola em Washington outra vez sem contas bancárias

É a terceira vez em sete meses que a embaixada angolana na capital dos Estados Unidos perde acesso a serviços bancários. A embaixada de Angola em Washington está, outra vez, sem contas bancárias nos Estados Unidos.

Desta vez, as contas foram encerradas pelo banco Sonabank, onde a missão diplomática angolana as abrira há menos de um mês, com uma carta de recomendação do Departamento de Estado.

Esta é a terceira vez em sete meses, que a embaixada de Angola em Washington vê um banco encerrar as suas contas, o que levanta dúvidas sobre a capacidade de funcionamento desta missão diplomática.

A embaixada abriu contas no Sonabank, Southern National Bankcorp of Virgínia, no final do mês passado, solucionando assim uma crise aberta pelo Bank of America, que lhe encerrara as contas quase dois meses antes.

A perda de serviços bancários pela embaixada gerou tensão entre Luanda e Washington. O encarregado de Negócios americano em Luanda, David Brooks, foi chamado ao Ministério das Relações Exteriores, e a embaixadora angolana em Washington, Josefina Pitra Diakité, foi chamada à sua capital para consultas.

Depois do encerramento das contas pelo Bank of America, e antes pelo Banco HSBC, Angola exigiu aos Estados Unidos que resolvesse o problema, alegando que, sem acesso a contas bancárias, a embaixada não pode funcionar normalmente, pois fica sem meios para pagar salários, renda e despesas correntes.

O Departamento de Estado disse estar interessado em ajudar Angola a manter a embaixada a funcionar, mas lembrou que, por lei, não pode obrigar nenhum banco a aceitar qualquer cliente.

E, no mês passado, escreveu uma carta de recomendação, com base na qual o Sonabank acedeu a prestar serviços bancários à embaixada e tendo sido abertas várias contas.

Só que, esta semana, o banco escreveu à embaixada anunciando que encerrava as suas contas, após uma análise legal do seu histórico bancário. O banco não disse, especificamente, que transacções detectou que possam ser consideradas questionáveis.

Uma investigação do Senado americano, há cerca de um ano, denunciou transferências ilegais do banco central para contas privadas.

Um diplomata americano instado pela VOA a pronunciar-se sobre que transacções se podem ter sobreposto a uma carta de recomendação do Departamento de Estado, disse que essa pergunta devia ser apresentada ao banco e à embaixada.

À VOA um diplomata angolano disse que esta situação “compromete as relações entre os dois países e causa desconforto”.

A embaixadora Josefina Pitra Diakité, entretanto regressada a Washignton quando o problema se resolveu, está de novo em Luanda.

A viagem à capital estava programada – a embaixadora vai participar na reunião do Comité Central do MPLA – mas a carta do banco foi recebida imediatamente antes da partida da diplomata.

Até a crise se resolver, a embaixada angolana terá que recorrer às contas bancárias do consulado de Angola em Houston, no Texas, como fez durante os meses de Novembro e Dezembro passados.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!