Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Em menos de uma semana, mais um acidente de viação mata em Inhambane

Em menos de uma semana

Foto de Cidadão RepórterVolvidos seis dias, quatro cidadãos de nacionalidade malawiana morreram e cinco moçambicanos ficaram feridos, em consequência de um sinistro rodoviário, ocorrido no último sábado (09), no distrito de Massinga, província de Inhambane.

O acidente aconteceu na Estrada Nacional número um (EN1), por volta das 06h30, na zona de Mugumbe, naquele distrito e envolveu um autocarro de passageiros da transportadora Mazenga. Os sobreviventes foram socorridos para o Hospital Distrital de Massinga e encontravam-se fora de perigo.

Segundo a Polícia, a tragédia resultou da inobservância da regras de condução, nomeadamente ultrapassagem irregular e excesso de velocidade. O autocarro da companhia Mazenga partiu da localidade de Hunguana (Massinga), onde pernoitaram, e tinha como destino a capital moçambicana.

Chegado em Mugumbe, o automobilista da transportadora Mazenga efectuou uma ultrapassagem irregular a um outro machimbombo e, por conseguinte, chocou frontalmente com uma camioneta que fazia o sentido oposto, com os quatro malawianos perecidos no local.

O desastre ocorre poucos dias após um outro trágico acidente de viação, ocorrido no último domingo (03), no distrito de Zavala, em Inhambane, ter tirado a vida a 12 pessoas, 11 das quais carbonizadas, e outras 42 feridas.

Não é a primeira vez que um autocarro da transportadora Mazenga se envolve num acidente fatal. Em Abril do ano passado, 16 indivíduos perderam a vida a 100 quilómetros a sul da vila de Vilankulo (Inhambane), quando o machimbombo em que viajavam, com destino à cidade de Maputo, colidiu violentamente parte traseira de um camião avariado, que na altura transportava troncos e estava imobilizado na faixa de rodagem.

A realização de manobras perigosas numa zona com fraca visibilidade e o excesso de velocidade foram consideradas as principais causas, pela corporação.

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!